Percepções de um cartunista

30 de Agosto de 2020

Deus Todo-Poderoso diz: “Esgota-se a energia digna de uma vida inteira lutando contra a sina, sempre correndo para lá e para cá, alimentando a família e se ocupando com riqueza e status. As coisas que as pessoas entesouram são família, dinheiro e fama; elas veem isso como as coisas mais valiosas na vida. Todos se queixam de sua sina, mas empurram para o fundo da mente as questões que são mais imperativas de examinar e compreender: por que o homem está vivo, como o homem deveria viver, o que são o valor e o significado da vida. Eles gastam todos os seus anos corendo em busca de fama e fortuna, até a juventude ter fugido, até elas ficarem grisalhas e enrugadas; até verem que fama e fortuna não podem parar seu deslizar rumo à senilidade, que dinheiro não pode preencher o vazio do coração; até entenderem que ninguém está isento da lei do nascimento, do envelhecimento, da enfermidade e da morte, que ninguém pode escapar do que a sina tem reservado. Só quando são forçadas a enfrentar a conjuntura final da vida é que elas compreendem verdadeiramente que, a despeito de riqueza, recursos, privilégio ou posição alta, ninguém pode escapar da morte, e retornará à sua posição original: uma alma solitária, sem nada em seu nome” (‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”). As palavras de Deus são uma representação verdadeira da minha própria vida. Eu costumava dar muito valor a status e dinheiro. Quando percebi que tinha talento para desenhar cartuns, pensei em usá-lo como trampolim para mudar minha vida, ganhar dinheiro e status e me tornar alguém bem-sucedido aos olhos das pessoas. Mas sempre que eu apresentava um cartum, ele era recusado. Passei mais de 30 anos me esforçando e perseguindo meu objetivo, e o resultado foi uma mente cansada e um corpo surrado. Foi somente com a salvação de Deus nos últimos dias e a leitura das palavras de Deus Todo-Poderoso que comecei a refletir sobre como uma pessoa deveria viver e qual é o valor da vida.

Quando eu estava no ensino médio, eu gostava de desenhar cartuns. Eu estudava e treinava desenhar cartuns. Aos 25 anos, conheci um cartunista. Ele era cercado por fãs que o adoravam, e eu o invejava por isso. Eu esperava ser igual a ele um dia, recebendo a atenção e o respeito de todos. Eu sabia que ainda estava muito longe de ser tão bom quanto ele. Mas também acreditava que, um dia, contanto que me esforçasse, eu também poderia ser famoso. Agarrando-me a essa crença, passei mais de dez anos criando cartuns. Durante esse tempo, a fim de aprimorar minhas habilidades, eu era capaz de gastar o salário de um mês em materiais caros sobre cartuns como referência. Persisti em desenhar todos os dias para desenvolver e refinar minhas habilidades. Depois de fazer isso por um bom tempo, meus dedos ficaram desfigurados e minha visão ficou ruim, mas eu cerrei os punhos e continuei lutando pelo sucesso. Sempre que alguém elogiava meus cartuns, eu ficava feliz e até já me imaginava um cartunista famoso, dirigindo um belo carro e vivendo numa linda casa. Mas na vida real, eu era só um empregado qualquer de uma empresa. Não havia como eu ficar famoso. Não importava quão bons fossem os meus desenhos, eu ganhar pouco dinheiro com eles. Essa não era a vida que eu queria.

Num esforço de dar um passo à frente, fiz um teste para entrar na maior companhia de HQs da Ásia na época. Já que muitos artistas famosos tinham saído dali, pensei que, se eu trabalhasse ali e aparecesse uma chance, a fama bateria à minha porta. Certa vez, o diretor de uma editora de HQs quis produzir uma revista com cartunistas da região e estava vindo para descobrir novos talentos. Quando soube disso, fiquei muito animado. Pensei que era uma oportunidade vinda do céu. Finalmente eu teria a chance de mostrar meu talento e ficar famoso. Passei muito tempo refletindo sobre isso, sobre o conceito, o material a fonte, a trama e a cor do cartum. Mergulhei nisso e encontrei muito material de referência para estudar. Alguns dias depois, meu cartum estava pronto. Fui ver o diretor, cheio de esperança. Sabem o que aconteceu? Minhas ideias não eram do gosto dele. Começamos a discutir e acabei ofendendo-o. No fim, o diretor escolheu o cartum de um dos meus colegas. De uma hora para outra, minha esperança de ficar famoso evaporou.

Quando isso aconteceu, fiquei transtornado. Mas não permiti que aquilo me desanimasse. Mandei outro cartum para uma editora. O editor realmente gostou, e então me tornei artista da editora. Não demorou, e o chefe da editora me pediu que eu terminasse um cartum junto com um editor. Eu estava ansioso para dar o meu melhor. Só que, mais tarde, descobri que o sucesso do nosso cartum dependia da decisão daquele diretor que eu tinha ofendido. De imediato, minhas emoções ficaram confusas. Eu sabia que, mesmo que nosso trabalho fosse bom, aquele chefe o recusaria. Não havia nada que eu pudesse fazer senão desistir. Todos aqueles anos esforçando-me tanto para realizar meu sonho, só para fracassar vez após vez. Eu me desesperei e não havia palavras para descrever minha dor. Sabia que a estrada adiante seria ainda mais incerta.

Depois disso, por muito tempo, desenhar se tornou a coisa mais dolorosa, ao ponto de eu não querer mais nem pegar na caneta. Mas eu não estava disposto a desistir de meu sonho de ser cartunista. Afinal de contas, durante todos esses anos, eu tinha investido tempo e dinheiro e sacrificado minha saúde. Como eu poderia desistir sem mais nem menos? Então, continuei desenhando... Muitos anos se passaram, e eu tinha enviado inúmeros desenhos a editoras, mas, no fim, todos os esforços não deram em nada. Cada fracasso causava uma dor enorme em meu espírito. Especialmente quando via nas prateleiras as longas fileiras de desenhos que meus ex-colegas tinham desenhado, meu coração se enchia de inveja. Eu tinha investido mais de 30 anos em desenhos, e o resultado foi zero. Eu não entendia por que os outros conseguiam realizar suas ambições, mas eu nunca tive a chance de mostrar meu próprio talento. Por que aquilo pelo qual eu tinha trabalhado tanto e que eu tanto desejava nunca se concretizava? Seria esse o meu destino? Eu estava fadado a nunca ficar rico e famoso na vida? Por que a vida era tão difícil?

Embora eu nunca fosse capaz de conseguir o que desejava, meu coração ainda ansiava pelo sucesso. Mesmo havendo apenas uma vaga esperança, eu estava disposto a dar tudo que tinha. Mais tarde, descobri que o mercado para revistas em quadrinhos era enorme na Europa e nos Estados Unidos, então pensei em voltar meu foco para aquela direção. Talvez conseguisse ser rico e famoso apesar de tudo. Assim, eu me reergui e comecei a estudar estilos de cartuns ocidentais. Depois de algum tempo, meu cartum estava pronto. Eu estava muito animado. Planejava enviar meu trabalho a uma editora estrangeira. Foi aí que a salvação de Deus nos últimos dias me encontrou. Mesmo sabendo que Deus estava expressando a verdade e fazendo a obra de julgamento para purificar e salvar o homem, eu me ocupava com meus desenhos o dia todo e não conseguia aquietar o coração, muito menos ler as palavras de Deus adequadamente. Justamente quando eu estava satisfeito e pronto para enviar meu cartum para o exterior, descobri que deveria traduzi-lo para o inglês e que isso custaria muito dinheiro. Mas, durante todos aqueles anos, eu tinha gastado todo o meu salário com cartuns. Eu não tinha os recursos para pagar pela tradução. Tudo que eu podia fazer era desistir da ideia de mandar meu desenho para o exterior.

Então, certo dia, li as palavras de Deus Todo-Poderoso: “A sina do homem é controlada pelas mãos de Deus. Você é incapaz de controlar a si mesmo: embora o homem sempre se ocupe consigo mesmo, continua sendo incapaz de controlar a si mesmo. Se pudesse conhecer as próprias expectativas, se pudesse controlar a própria sina, você continuaria sendo uma criatura?” (‘Restaurar a vida normal do homem e levá-lo a um destino maravilhoso’ em “A Palavra manifesta em carne”). “Como não reconhecem as orquestrações de Deus e a soberania de Deus, as pessoas sempre encaram o destino de modo desafiador, com uma atitude rebelde, e sempre querem se livrar da autoridade e soberania de Deus e das coisas que o destino reserva, esperando em vão mudar suas circunstâncias atuais e alterar sua sina. Mas elas nunca conseguem ter sucesso; ficam frustradas toda vez. Essa luta, que se dá no fundo da alma da pessoa, é dolorosa; a dor é inesquecível; e o tempo todo a pessoa está desperdiçando sua vida. Qual é a causa dessa dor? É por causa da soberania de Deus ou porque a pessoa nasceu sem sorte? Obviamente, nenhuma das duas é verdade. Na realidade, é por causa das sendas que as pessoas tomam, dos modos como escolhem viver sua vida” (‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”). Após refletir sobre as palavras de Deus, de repente, eu vi a luz. O destino de uma pessoa está completamente nas mãos de Deus. Não é algo que podemos mudar. Somos apenas seres criados. Não temos nem como saber o que acontecerá amanhã, como, então, poderíamos controlar nosso destino? Na verdade, o trabalho que farei e as minhas conquistas, e se terei uma boa carreira ou não, Deus já determinou tudo isso há muito tempo. Mas eu não reconhecia a soberania de Deus. Eu estava sempre lutando com meu destino usando minha própria cabeça e talento. Estava sempre resistindo ao comando de Deus e esperando em vão poder mudar meu destino. Era por isso que eu vivia em tanta dor. Relembrando os últimos 30 e poucos anos, lutei incansavelmente para me tornar um cartunista famoso. Fracassei muitas vezes, mas não desisti. Vez após vez, apresentei meu trabalho, e toda vez sofri um revés. Isso causou uma dor enorme em meu espírito. Sofri toda essa dor porque tinha escolhido o modo errado de viver. O que causava isso era minha luta contra o destino, usando algo em que eu era bom para tentar ter sucesso.

Mais tarde, li mais das palavras de Deus Todo-Poderoso: “Na verdade, não importa quão elevados sejam os ideais do homem, não importa quão realistas sejam seus desejos ou quão apropriados possam ser, tudo que o homem deseja alcançar, tudo que o homem busca está inextricavelmente ligado a duas palavras. Essas duas palavras são de vital importância para a vida de cada pessoa, e elas são coisas que Satanás pretende incutir no homem. Quais são essas duas palavras? São ‘fama’ e ‘ganho’. Satanás usa um tipo de método muito sutil, um método muito mais de acordo com as noções das pessoas que de forma alguma é radical, através do qual ele faz com que as pessoas aceitem inadvertidamente o modo de vida de Satanás, suas regras para viver e para estabelecer metas de vida e seu rumo na vida e, ao fazê-lo, elas também chegam inadvertidamente a ter ambições na vida. Não importa o quanto essas ambições de vida possam parecer grandiosas, elas estão inextricavelmente ligadas a ‘fama’ e ‘ganho’. Tudo que qualquer pessoa importante ou famosatodas as pessoas na verdadesegue na vida tem relação unicamente com essas duas palavras: ‘fama’ e ‘ganho’. As pessoas pensam que, com fama e ganho, elas terão os recursos para desfrutar de glória e riqueza e aproveitar a vida. Pensam que, com fama e ganho, elas têm o capital para festejar e se entregar a prazeres irresponsáveis da carne. Por amor a essa fama e ganho que a humanidade tanto cobiça, as pessoas voluntariamente, ainda que inadvertidamente, entregam seu corpo, sua mente e tudo o que têm, seu futuro e destino a Satanás. Elas agem assim sem hesitar um instante sequer, sempre ignorantes da necessidade de recuperar tudo que entregaram. As pessoas podem reter qualquer controle sobre si mesmas uma vez que se refugiaram em Satanás dessa forma e se tornaram leais a ele? Certamente não. Elas são completa e totalmente controladas por Satanás. Elas afundaram completa e totalmente num atoleiro e são incapazes de se libertar” (‘O Próprio Deus, o Único VI’ em “A Palavra manifesta em carne”).

As palavras de Deus mexeram profundamente com o meu coração. As revelações nas palavras de Deus me conscientizaram de que a razão pela qual eu sempre lutei tanto para ser um cartunista famoso era que eu tinha sido enganado e corrompido por Satanás e arrastado pela ideia da fama e da fortuna. Satanás enche nossa mente com ideias equivocadas, como “Os homens devem sempre se empenhar para serem melhores do que seus contemporâneos”, “Distinga-se dos demais”, “O homem luta para subir; a água flui para baixo” e “Sem dor não há ganho” por meio da educação escolar e da influência dos grandes e famosos. Satanás nos leva a definir os objetivos errados pelos quais lutar e ser melhores do que os outros, e nos leva a pensar que é só tendo fama e status, sendo diferentes dos outros, se destacando e fazendo com que as pessoas nos admirem, que nossa vida pode ter qualquer valor ou significado. Pensei em tudo para me tornar um cartunista famoso. Gastei de bom grado 30 anos de tempo e energia, jogando fora não só minhas economias, mas quase destruindo minha saúde. Sempre que eu enviava um desenho e fracassava, era um golpe duro, fazendo-me sofrer e me sentir perdido e impotente, provocando pensamentos de desistir. No entanto, meus desejos eram reanimados sempre que eu imaginava como seria ser famoso. Isso me impulsionava a continuar desenhando, de modo que, quando a salvação de Deus chegou, eu não tinha tempo nem energia para ler as palavras de Deus. Eu ainda estava totalmente dedicado a me esforçar por fama e fortuna e só parei quando bati contra outro muro. Só então que percebi que eu estava sendo manipulado por ideias de fama e fortuna. Essas ideias me controlavam como uma marionete. Na busca por fama e fortuna, eu sempre me preocupava com perdas e ganhos. Eu vivia com inveja e dor, reclamando do meu destino injusto. Eu era um brinquedo nas mãos de Satanás. Então pensei naquelas pessoas famosas. Embora tivessem boa reputação e alta posição e as pessoas as cercassem e idolatrassem, isso não lhes trazia paz ou satisfação em seu espírito. Ao contrário, elas se sentiam ainda mais vazias. Algumas viviam tão desesperadas que decidiam pôr fim à vida. Há muitos lá fora que conseguem levar uma vida honesta antes de se tornar famosos, mas, quando o sucesso vem, eles se rendem à decadência, degeneração e se entregam a desejos carnais. Alguns começam a usar drogas à procura de emoção e acabam arruinando sua vida. Alguns competem por fama e fortuna com os outros. Enganam, atacam e matam uns aos outros. Alguns até vendem seu corpo por fama e fortuna e perdem sua dignidade... Vi com clareza que buscar fama e status para que as pessoas nos valorizem não é a senda correta na vida. Não pode trazer felicidade verdadeira, mas só nos torna ainda mais malignos e corrompidos. Buscar fama, fortuna e status é uma senda maligna que Satanás usa para nos ferir. Quando entendi isso, minha mente ficou clara. Eu não cobiçaria mais tanto fama e fortuna. Sem a revelação das palavras de Deus, eu nunca teria reconhecido a dor e o sofrimento que essa busca tinha causado em mim. Satanás teria continuado a me enganar e machucar. Decidi criar um plano novo para a minha vida. Desisti do sonho de ser cartunista e parei de enviar meus trabalhos às editoras.

Mas quando eu estava prestes a desistir, percebi que ainda não estava disposto a fazer isso. Afinal de contas, tinham sido mais de 30 anos de trabalho árduo para me tornar um cartunista reconhecido. Eu deveria simplesmente desistir? Certo dia, vi no noticiário que um famoso cartunista de Taiwan tinha falecido repentinamente. Ele só tinha 51 anos. Aquilo gerou todos os tipos de sentimentos em mim. Ele era altamente reverenciado na área. Tinha feito alguns trabalhos excelentes que lhe renderam estima e admiração. Ele tinha fama e fortuna. Mas quem teria pensado que ele fosse morrer tão cedo? Suspirei de tristeza. De que servem fama, dinheiro e status quando se perde a vida? Pensando em toda a dor que aqueles anos de busca por fama e fortuna tinham trazido, decidi que não continuaria assim. Orei diante de Deus, pedindo que Ele me guiasse na estrada adiante e me capacitasse a me libertar dos grilhões da fama e da fortuna.

Mais tarde, li as palavras de Deus em “O Próprio Deus, o Único III”: “Quando investigar repetidas vezes e dissecar atentamente as diversas metas de vida que as pessoas perseguem e as várias e diferentes maneiras de viver, você descobrirá que nenhuma delas corresponde à intenção original do Criador quando Ele criou a humanidade. Todas elas afastam as pessoas da soberania e do cuidado do Criador; todas são armadilhas que fazem com que as pessoas se tornem depravadas e que a levam ao inferno. Depois de reconhecer isso, a sua tarefa é pôr de lado a antiga visão da vida, ficar longe das diversas armadilhas, deixar que Deus se encarregue de sua vida e faça arranjos para você, tentar apenas se submeter às orquestrações e à orientação de Deus, não ter escolha e tornar-se uma pessoa que adora a Deus.” “Se uma pessoa vê a vida como uma oportunidade de experimentar a soberania do Criador e chegar a conhecer a Sua autoridade, se ela vê a vida como uma chance rara de cumprir seu dever como ser humano criado e realizar sua missão, então ela necessariamente terá a perspectiva correta sobre a vida, viverá uma vida abençoada e guiada pelo Criador, andará na luz do Criador, conhecerá a soberania do Criador, estará sob Seu domínio, se tornará testemunha de Seus feitos miraculosos e de Sua autoridade” (‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”). As palavras de Deus me mostraram a senda certa e a direção a seguir. Para me livrar da dor de buscar fama e riqueza, eu precisaria abandonar aqueles objetivos e perspectivas equivocados sobre a vida. Eu deixaria de buscar fama para ganhar a adoração e estima dos outros. Eu entregaria minha vida a Deus, me submeteria às orquestrações de Deus na minha carreira e seria uma pessoa que mantém os pés no chão, cumprindo meu dever como um ser criado. Esse é o único valor na vida. No passado, eu não entendia a vontade de Deus e não tinha conhecimento de Sua soberania. Eu sempre tive tantos planos e desejos, ao ponto de gastar mais de três décadas correndo atrás de fama e fortuna, e acabei perdendo o rumo na vida. Fui gravemente enganado e ferido por Satanás. Agora que as palavras de Deus me mostravam a senda da prática, eu não podia mais viver segundo as ideias enganosas de Satanás. Deus criou todas as coisas para o homem. Ele nos deu o sopro da vida. Deus veio encarnado nos últimos dias para fazer a obra de salvar o homem. Eu sou um ser criado. Desfruto de tudo que Deus me deu. Eu deveria ter uma consciência e razão. Deveria usar meu dom e talento para cumprir meu dever e dar testemunho do Próprio Criador. Quando entendi isso, minha mente ficou muito mais clara. Eu sabia como trilhar a senda a partir de então.

Agradeço a Deus por me escolher e me levar de volta à terra pura da casa de Deus. Suas palavras me nutriram, sustentaram e guiaram para que eu entendesse que fama e fortuna são os grilhões que Satanás usa para nos restringir, e que eu não deveria me esforçar buscando fama e fortuna. Vi muitos irmãos e irmãs na igreja focados na busca da verdade, cumprindo seus deveres como seres criados e entendendo cada vez mais a verdade. Eu os invejava. No passado, eu estava sempre vivendo por fama e fortuna e sofria amargamente por isso, desejando também poder cumprir meu dever. Hoje, cumprindo meu dever de espalhar o evangelho na igreja, minha mente está calma, tranquila, e sinto uma liberdade que nunca senti antes. Essa sensação de paz e alegria em meu espírito é algo que não pode ser substituído por prazeres materiais ou fama e fortuna. Agradeço a Deus Todo-Poderoso por me salvar!

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Contate-nos
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo relacionado

Deus está ao meu lado

Por Guozi, Estados Unidos Eu nasci em uma família cristã e quando eu tinha um ano de idade, minha mãe aceitou a nova obra do Senhor Jesus...