Aplicativo da Igreja de Deus Todo-Poderoso

Ouça a voz de Deus e dê as boas vindas ao retorno do Senhor Jesus!

Convidamos a todos os buscadores da verdade que entrem em contato conosco.

A neblina se dissipa e eu encontro a senda para o reino dos céus

2

Por Chen Ai, China

Desde criança eu acompanhei meus pais em sua crença no Senhor e agora me encontro diante da velhice. Embora eu tenha acreditado no Senhor a vida inteira, o problema de como me livrar do pecado e entrar no reino dos céus era um enigma insolúvel que me causava consternação constante, deixando-me perdido e aflito. Durante minha vida, eu desejava muito poder descobrir como me livrar do pecado e entrar no reino dos céus, para que, quando chegasse minha hora, eu fosse capaz de enfrentar a morte sabendo que minha vida estava completa e que eu podia finalmente encontrar o Senhor com paz no coração.

Na tentativa de resolver esse dilema, consultei avidamente a Bíblia, do Antigo Testamento ao Novo e do Novo Testamento de volta ao Antigo, lendo a Bíblia várias vezes. Porém, no final não consegui encontrar a resposta certa. Sem mais opções, só me restou fazer um esforço para me comportar da melhor maneira possível de acordo com os ensinamentos do Senhor, pois Ele disse: “O reino dos céus é tomado a força, e os violentos o tomam de assalto” (Mateus 11:12). No entanto, descobri que na vida real, por mais que eu tentasse, não conseguia cumprir o que o Senhor exigia de mim. Assim como Ele disse: “Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento. Este é o grande e primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo” (Mateus 22:37-39). O Senhor exige que amemos a Deus de todo o coração e com toda nossa mente, e que irmãos e irmãs amem uns aos outros. Porém, por mais que eu me esforçasse, simplesmente não conseguia alcançar esse tipo de amor, pois meu amor por minha família era maior do que meu amor pelo Senhor, e eu simplesmente não era capaz de amar verdadeiramente meus irmãos e irmãs na igreja como eu amava a mim mesmo. Pelo contrário, eu costumava ser mesquinho e calculista em relação aos outros quando meus próprios interesses estavam em jogo, a ponto de ser possuído por rancor. Como alguém como eu poderia ser salvo e entrar no reino dos céus? O Senhor Jesus também disse muitas coisas sobre entrar no reino dos céus, como: “Em verdade vos digo que se não vos converterdes e não vos fizerdes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus” (Mateus 18:3). “Pois eu vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus” (Mateus 5:20). Eu não conseguia colocar em prática nenhuma dessas exigências do Senhor. Eu mentia com frequência e sempre culpava o Senhor ao me deparar com algo que não era do meu agrado. Meus pensamentos eram enganosos e desonestos e eu definhava incessantemente no pecado, pecando e me arrependendo, me arrependendo e pecando, repetidamente. O Senhor é santo e está escrito na Bíblia: “…a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor” (Hebreus 12:14). Como alguém tão completamente imundo como eu poderia estar apto a entrar no reino dos céus? Isso me incomodava profundamente. Mas sempre que eu lia sobre a senda da justificação pela fé adotada por Paulo em Romanos, Gálatas e Efésios — que ter fé e ser batizado significa salvação certa, que se acreditarmos no Senhor em nosso coração e O reconhecermos com nossa boca seremos justificados pela fé, salvos para sempre, e que, quando o Senhor retornar, Ele certamente nos elevará ao reino dos céus — uma enorme alegria tomava conta de mim. Eu sentia que não precisava me preocupar em entrar no reino dos céus. Mas então eu me lembrava do que o Senhor disse sobre as pessoas só serem capazes de entrar no reino dos céus por esforço próprio, e eu ficava inquieto. Ser justificado pela fé e depois entrar no reino dos céus — seria mesmo tão simples assim? Sobretudo quando eu via velhos crentes piedosos chegando ao fim da vida aparentando inquietação e preocupação, tanto que até choravam copiosamente e nenhum deles parecia feliz em morrer, eu inevitavelmente me perguntava: se eles dizem que basta a justificação pela fé para entrar no reino dos céus, por que então parecem tão aterrorizados em seu leito de morte? Parecia que eles próprios não tinham ideia se haviam sido salvos ou não, nem para onde iriam após a morte. Eu ponderei repetidamente as palavras do Senhor Jesus e também contemplei as palavras de Paulo, e descobri que as palavras de Jesus e de Paulo divergiam bastante em relação a quem poderia entrar no reino dos céus. Segundo Paulo, uma pessoa é justificada pela fé simplesmente crendo no Senhor — se fosse esse o caso, todos seriam salvos. Então, por que o Senhor Jesus disse: “Igualmente, o reino dos céus é semelhante a uma rede lançada ao mar, e que apanhou toda espécie de peixes. E, quando cheia, puxaram-na para a praia; e, sentando-se, puseram os bons em cestos; os ruins, porém, lançaram fora” (Mateus 13:47-48)? Por que, quando o Senhor retorna nos últimos dias, ele precisa separar o joio do trigo, as ovelhas das cabras e os bons servos dos maus? A partir dessas palavras ditas pelo Senhor Jesus, está claro que nem todos que creem Nele poderão entrar no reino dos céus. Então eu me perguntava: estou salvo? E poderei entrar no reino dos céus quando morrer? Essas perguntas persistiam em minha mente como enigmas e eu não tinha ideia de como respondê-las.

Num esforço para resolver esse problema, consultei obras escritas ao longo dos tempos por personagens espirituais conhecidos, mas a maioria delas trazia interpretações de justificação pela fé conforme aparece em Romanos, Gálatas e Efésios, e nenhum desses livros foi capaz de esclarecer minhas dúvidas. Visitei então todos os presbíteros no Senhor mais conhecidos e frequentei encontros de muitas denominações diferentes, mas descobri que todos diziam praticamente as mesmas coisas e ninguém sabia me explicar claramente o mistério de como entrar no reino dos céus. Mais tarde, conheci uma nova denominação estrangeira emergente e pensei que talvez esse tipo de igreja pudesse lançar uma nova luz sobre a questão. Assim, bastante animado, fui a um de seus encontros. No início, o sermão pareceu ser relativamente esclarecedor, mas ao final descobri que também eles pregavam o caminho da justificação pela fé e fiquei deprimido com a decepção. Após o encontro, procurei o pastor principal e perguntei: “Pastor, receio não ter entendido quando você disse: ‘Uma vez salvo, salvo para sempre’. Você poderia compartilhar mais sobre isso comigo?” O pastor disse: “É uma coisa muito fácil de compreender. Em Romanos diz: ‘Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem os condenará?’ (Romanos 8:33-34). O Senhor Jesus Cristo já nos absolveu de todos os nossos pecados ao ser crucificado na cruz. Ou seja, todos os nossos pecados, sejam os pecados que cometemos no passado, os pecados que cometemos hoje ou os pecados que cometeremos no futuro, são todos perdoados. Somos eternamente justificados pela fé em Cristo e se o Senhor não nos condena por nossos pecados, quem poderia nos acusar? Portanto, não devemos perder a fé em entrar no reino dos céus”. A resposta do pastor me confundiu ainda mais, então eu perguntei: “Como você explica o que está escrito em Hebreus: ‘Porque se voluntariamente continuarmos no pecado, depois de termos recebido o pleno conhecimento da verdade, já não resta mais sacrifício pelos pecados’ (Hebreus 10:26)?” O rosto do pastor ficou vermelho e ele não disse mais nada, e minha pergunta ficou sem resposta. Aquele encontro não só não tinha resolvido minha confusão, como me deixara ainda mais incomodado. Pensei: “Creio no Senhor há décadas, mas se nem ao menos tenho certeza de que minha alma irá para o Senhor quando eu morrer, isso não significa que tive um tipo de fé confusa a vida inteira?”. Comecei então a percorrer a senda de procurar a resposta para o meu problema em todo lugar possível.

Em março de 2000, fui estudar em um seminário dirigido por estrangeiros, confiante de que os sermões pregados por estrangeiros seriam superiores e certamente resolveriam minha confusão. Para minha surpresa, porém, depois de estudar lá por dois meses, durante os quais estive cheio de fé, descobri que todos os pastores pregavam as velhas coisas de sempre e que não havia nenhuma luz nova em seus sermões. Durante esse tempo não ouvi um único sermão revitalizante nem li um único ensaio espiritual. Não só minha confusão não foi resolvida, como minha estadia lá me deixou ainda mais desconcertado. Eu me senti inevitavelmente confuso e pensei: “Estou aqui há mais de dois meses, mas o que eu ganhei? Se não posso obter provisão aqui, qual é o sentido de continuar com esses estudos?”.

A neblina se dissipa e eu encontro a senda para o reino dos céus

Certa noite depois do jantar, perguntei a um pastor: “Pastor, como estudantes de teologia, é só isso que estudamos? Não podemos falar sobre o modo de vida?”. O pastor respondeu muito solenemente: “Se não discutirmos essas coisas em nossos estudos teológicos, então sobre o que deveríamos falar? Simplesmente relaxe e continue estudando! Somos a maior organização religiosa do mundo, internacionalmente reconhecida. Você passará por três anos de formação aqui e sairá com um certificado internacional de pastor. Quando chegar a hora, você poderá levar esse certificado a qualquer lugar do mundo para pregar o evangelho e estabelecer igrejas”. A resposta do pastor foi realmente decepcionante para mim. Eu não queria ser pastor, só queria saber como entrar no reino dos céus. E então perguntei a ele: “Pastor, considerando que a posse de um certificado de pastor abre tantas portas, poderei usá-lo para entrar no reino dos céus?”. Ao ouvir isso, o pastor ficou em silêncio. Eu continuei: “Pastor, ouvi dizer que você crê no Senhor desde menino. Agora que já se passaram muitas décadas, estou curioso: você foi salvo?”. Ele respondeu: “Sim, fui salvo”. Perguntei: “Então você poderá entrar no reino dos céus?”. Ele respondeu, autoconfiante: “Claro que sim!”. Perguntei: “Então, posso perguntar qual é o seu fundamento para afirmar que poderá entrar no reino dos céus? Você é um homem mais justo do que eram os escribas e fariseus? Você ama seus vizinhos como a si mesmo? Você é santo? Pense bem: involuntariamente, continuamos pecando o tempo todo e contrariando os ensinamentos do Senhor. Diariamente pecamos de dia e confessamos à noite. Deus é santo, então você realmente acha que seremos capazes de entrar no reino dos céus estando tão cheios de pecado?”. O pastor ficou desconcertado e vermelho como um tomate, e não disse mais nada por um bom tempo. Fiquei muito decepcionado com a reação dele e senti que se continuasse meus estudos lá, não seria capaz de compreender o mistério de como ganhar vida e entrar no reino dos céus. E assim, abandonei os estudos no seminário e voltei para minha cidade natal.

A caminho de casa, eu estava abatido como nunca antes; tive a sensação de que minhas últimas esperanças haviam sido destroçadas. Pensei: “Mesmo em um seminário dirigido por pastores estrangeiros, minha busca não resultou na senda para me livrar do pecado e entrar no reino dos céus. Onde mais posso procurar por essa senda?”. Senti como se tivesse chegado ao fim da estrada. Nesse exato momento, a imagem do meu velho pai e de um velho pastor chorando diante da iminência da morte passou rapidamente diante dos meus olhos novamente. Pensei em como haviam passado a vida inteira pregando o caminho da justificação pela fé, que as pessoas entrariam no reino dos céus após a morte, mas, no final das contas, haviam morrido tomados por arrependimento. Eu havia acreditado no Senhor a vida inteira e dito às pessoas todos os dias que elas entrariam no reino dos céus quando morressem, e mesmo assim eu nunca tivera real clareza sobre como entrar de fato no reino dos céus. Eu iria deixar esta vida tomado por arrependimento como meu pai e o pastor? Em meio à minha dor, essas palavras do Senhor subitamente vieram à mente: “Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei e abrir-se-vos-á” (Mateus 7:7). “É isso mesmo”, pensei. “O Senhor é fiel e contanto que eu busque com um coração verdadeiro, Ele certamente me guiará. Não posso desistir. Enquanto restar um sopro de vida em meu corpo, continuarei procurando a senda para o reino dos céus!”. Então, vim diante do Senhor para orar: “Querido Senhor, procurei por toda parte como me livrar do pecado e entrar no reino dos céus, mas ninguém foi capaz de resolver meu problema. Querido Senhor, o que devo fazer? Como pregador, digo diariamente aos irmãos e irmãs que eles devem buscar diligentemente e ter paciência até o fim, e que Tu virás para nos levar ao reino dos céus depois que morrermos. Porém, a essas alturas, eu realmente não tenho ideia de como me livrar do pecado e entrar no reino dos céus. Não seria eu um cego guiando outro cego, conduzindo meus irmãos e irmãs para o abismo? Querido Senhor, aonde devo ir para procurar a senda para o reino dos céus? Por favor, guia-me!”.

Depois que voltei para minha cidade natal, eu soube que muitas boas ovelhas e ovelhas líderes da nossa igreja haviam sido roubadas pela igreja Relâmpago do Oriente. Muitas pessoas estavam dizendo que o caminho da Relâmpago do Oriente fornecia nova compreensão e nova luz, e até pastores experientes tinham admiração por seus sermões. Sempre que eu ouvia essas coisas, pensava: “Parece que os sermões pregados pela Relâmpago do Oriente são de fato elevados. É uma pena que eu não tenha encontrado ninguém da Relâmpago do Oriente. Seria ótimo se eu pudesse conhecê-los algum dia! Se esse dia chegar, certamente ouvirei e buscarei seriamente para entender por que exatamente seus sermões são tão bons e se eles podem ou não esclarecer essa confusão que carrego comigo há anos”.

Um dia, uma líder da igreja me disse: “A igreja tal e tal teve muitas de suas boas ovelhas roubadas pela Relâmpago do Oriente. Agora todas as denominações estão trancando suas igrejas e precisamos instar com nossos irmãos e irmãs para que não tenham contato algum com pessoas da Relâmpago do Oriente e, particularmente, para que não ouçam seus sermões. Se todos os nossos fiéis começarem a acreditar na Relâmpago do Oriente, quem restará para nos ouvir pregar?”. Fiquei indignado ao ouvir a líder da igreja dizer isso e pensei: “Nossa igreja está aberta a todos, então por que haveríamos de trancá-la? Por que você não acolheria um forasteiro de um lugar distante? A Bíblia diz: ‘Não vos esqueçais da hospitalidade, porque por ela alguns, sem o saberem, hospedaram anjos’ (Hebreus 13:2). Abraão acolheu forasteiros e assim foi abençoado por Deus e teve um filho aos cem anos; Ló acolheu dois anjos e assim foi salvo da destruição de Sodoma; a prostituta Raabe recebeu espiões de Israel e sua família inteira foi salva; e uma viúva pobre acolheu o profeta Elias e assim eles evitaram a fome por três anos e meio. Entre tantas pessoas, nenhuma foi prejudicada por acolher forasteiros de lugares distantes, pelo contrário, foram todas abençoadas por Deus. Portanto, é evidente que acolher forasteiros está de acordo com a vontade do Senhor. Então por que você iria contra Sua vontade, trancando a igreja intencionalmente e não permitindo a entrada de nenhum forasteiro?”. Ao pensar nisso, balancei a cabeça e disse a ela: “Fazer isso contraria a vontade do Senhor. Nossa igreja pertence a Deus e está aberta a todos. Contanto que a comunicação deles seja sobre fé no Senhor, devemos receber qualquer um, independentemente de quem seja, e devemos buscar com a mente aberta e explorar ideias juntos. Somente ao fazer isso é que estaremos de acordo com os ensinamentos do Senhor”.

Certo dia de julho de 2000, conheci duas irmãs que estavam pregando sobre a Relâmpago do Oriente durante sua estadia na casa do irmão Wang. Depois de termos nos cumprimentado rapidamente, perguntei a elas: “A questão de poder ou não ser salvo e entrar no reino dos céus sempre me deixou perplexo. Hoje em dia, todo o mundo religioso adere às palavras de Paulo na crença de que seremos salvos simplesmente acreditando e sendo batizados, e que ao crer no Senhor em seu coração e reconhecer o Senhor com sua boca, uma pessoa é justificada pela fé, salva para sempre e certamente será elevada ao reino dos céus quando o Senhor retornar. Mas, pessoalmente, não acho que entrar no reino dos céus seja tão simples assim. Como diz a Bíblia: ‘…a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor’ (Hebreus 12:14). Seja eu ou os irmãos e irmãs ao meu redor definhando no pecado o dia inteiro, dia após dia, não acho que pessoas como nós, que vivemos diariamente no pecado, possam entrar no reino dos céus. Eu gostaria de saber exatamente como entrar no reino dos céus. Vocês poderiam compartilhar sobre isso comigo?”.

A irmã Zhou sorriu e disse: “Irmão, essa pergunta que você faz é crucial. Como entrar no reino dos céus é uma grande preocupação para todo crente. Ter clareza sobre esse assunto significa primeiro saber que os crentes no Senhor devem sempre se comportar de acordo com as palavras do Senhor Jesus e não de acordo com o que os seres humanos disseram. O Senhor Jesus nos disse claramente: ‘Nem todo o que Me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de Meu Pai, que está nos céus’ (Mateus 7:21). O Senhor nunca disse que podemos entrar no reino dos céus apenas confiando na graça para sermos salvos ou sendo justificados pela fé. Ser justificado pela fé, ser salvo para sempre pela fé e depois ser elevado ao reino dos céus — essas foram palavras de Paulo. Paulo era apenas um apóstolo, um membro da humanidade corrupta, e também precisava da salvação do Senhor Jesus. Como poderia ele ter determinado se outras pessoas poderiam entrar no reino dos céus ou não? Somente o Senhor Jesus é o Senhor do reino dos céus, o Rei do reino dos céus; somente as palavras do Senhor são a verdade e somente elas possuem autoridade. Portanto, sobre a questão de como podemos entrar no reino dos céus, devemos ouvir apenas as palavras do Senhor — não há dúvida alguma quanto a isso.

A neblina se dissipa e eu encontro a senda para o reino dos céus

Em seguida, há as perguntas: ‘O que significam justificação pela fé e ser salvo por causa da fé?’ e ‘Você pode entrar no reino dos céus uma vez que for salvo?’. Elas são explicadas claramente nas palavras de Deus Todo-Poderoso, então vamos ler agora algumas passagens das palavras de Deus. Deus Todo-Poderoso diz: ‘Você só sabe que Jesus descerá durante os últimos dias, mas como exatamente Ele descerá? Um pecador como você, que acaba de ser redimido, e não foi mudado ou aperfeiçoado por Deus, pode ser segundo o coração de Deus? Para você, você que ainda é do seu antigo eu, é verdade que você foi salvo por Jesus, e que você não é contado como pecador por causa da salvação de Deus, mas isso não prova que você não é pecador e não é impuro. Como você pode ser santo se não foi mudado? Internamente, você é assolado por impurezas, é egoísta e ignóbil, mas ainda deseja descer com Jesus — quem dera você ter tanta sorte! Você pulou uma etapa em sua crença em Deus: você foi meramente redimido, mas não foi mudado. Para você ser segundo o coração de Deus, Deus deve fazer pessoalmente a obra de mudar e limpar você; se você é apenas redimido, será incapaz de alcançar a santidade. Dessa forma, você não será qualificado para compartilhar as boas bênçãos de Deus, pois você perdeu um passo na obra de Deus de gerenciar o homem, que é o importante passo de mudar e aperfeiçoar. Assim, você, um pecador que acaba de ser redimido, é incapaz de herdar diretamente a herança de Deus’ (de ‘Sobre denominações e identidade’ em “A Palavra manifesta em carne”). ‘Embora Jesus tenha feito muita obra entre os homens, Ele apenas completou a redenção de toda a humanidade e tornou-Se oferta pelo pecado dos homens e não livrou o homem de todo o seu caráter corrupto. Salvar o homem plenamente da influência de Satanás não exigiu apenas que Jesus tomasse os pecados do homem como oferta pelo pecado, mas também exigiu que Deus fizesse uma obra maior para livrar o homem completamente de seu caráter, que foi corrompido por Satanás. E assim, depois que os pecados do homem foram perdoados, Deus voltou para a carne para guiar o homem até a nova era e começou a obra do castigo e julgamento, e essa obra tem trazido o homem a um reino superior. Todo aquele que se submete ao Seu domínio desfrutará de uma verdade maior e receberá bênçãos maiores. Eles viverão verdadeiramente na luz e ganharão a verdade, o caminho e a vida’ (de ‘Prefácio’ em “A Palavra manifesta em carne”).”

A irmã Wang continuou sua comunicação, dizendo: “Na Era da Graça, o Senhor Jesus realizou a obra de redenção da humanidade, tornando-Se uma oferta pelo pecado pela humanidade por meio da crucificação, e nos resgatando das garras de Satanás. Contanto que aceitemos a salvação do Senhor e confessemos e nos arrependamos de nossos pecados, nossos pecados são perdoados e então estamos aptos a desfrutar da graça e bênçãos do Senhor. O que quero dizer com ‘nossos pecados são perdoados’ é que não estamos mais condenados ou sentenciados à morte sob a lei por violar a lei, e é esse o verdadeiro significado de justificação pela fé e ser salvo pela fé. Mas isso não significa que estamos livres de pecado ou imundície, nem significa que seremos capazes de entrar no reino dos céus. O motivo é que embora nossos pecados possam ser perdoados, nossa natureza pecaminosa permanece profundamente enraizada em nós, e quando enfrentamos problemas, muitas vezes ainda contamos mentiras e enganamos os outros para proteger nossas posições e interesses. Quando desfrutamos da graça do Senhor, agradecemos e louvamos a Ele e nos despendemos energicamente por Ele. Mas quando ocorre uma catástrofe ou algo de ruim acontece à nossa família, interpretamos mal o Senhor e O culpamos, chegando mesmo a negar e trair o Senhor. Portanto, como é que pessoas como nós, que foram redimidas, mas que frequentemente pecam e resistem a Deus, podem estar qualificadas para entrar no reino dos céus? Deus é justo e santo e Ele nunca permitiria que pessoas imundas e corruptas entrassem em Seu reino. Para nos salvar de uma vez por todas da influência de Satanás, Ele opera de acordo com Seu plano de gerenciamento e nossas necessidades como humanidade corrupta, realizando Sua obra de julgar e purificar o homem nos últimos dias. Deus encarnado expressou milhões de palavras para julgar nossa corrupção, nossa imundície, nossa injustiça e resistência, e nos mostrar a senda para nos livrarmos de nosso caráter corrupto. Quando, por meio do julgamento e castigo das palavras de Deus, nos livrarmos de nosso caráter satânico e corrupto, formos capazes de colocar em prática Suas palavras e nos tornarmos pessoas que realmente obedecem e adoram a Deus, só então estaremos aptos a entrar no reino de Deus. Na verdade, o Senhor Jesus profetizou há muito tempo que retornaria nos últimos dias para realizar a obra de julgamento. Assim como Ele disse: ‘E, se alguém ouvir as Minhas palavras, e não as guardar, Eu não o julgo; pois Eu vim, não para julgar o mundo, mas para salvar o mundo. Quem Me rejeita, e não recebe as Minhas palavras, já tem quem o julgue; a palavra que tenho pregado, essa o julgará no último dia’ (João 12:47-48). ‘E quando Ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo’ (João 16:8). Portanto, está claro que somente aceitando a obra de julgamento de Deus nos últimos dias, nos livrando de nosso caráter corrupto e alcançando a purificação é que poderemos entrar no reino de Deus”.

Depois de ouvir as comunicações das irmãs, tudo de repente ficou claro e meu coração instantaneamente se iluminou. “Ah, então é assim que se entra no reino dos céus!”, pensei, “Somente agora finalmente compreendo que o Senhor Jesus realizou a obra de redenção da humanidade, não a obra de nos livrar do pecado. O Senhor de fato nos absolveu de nossos pecados, mas nossa natureza pecaminosa permanece profundamente enraizada por dentro e, portanto, frequente e involuntariamente ainda pecamos e resistimos ao Senhor. Não é por menos que eu nunca fui capaz de me libertar das amarras e grilhões do pecado — o motivo é que não aceitei a obra de julgamento de Deus Todo-Poderoso nos últimos dias!”. E então eu disse às duas irmãs: “Graças ao Senhor! Ao ouvir as palavras de Deus Todo-Poderoso e a comunicação de vocês, finalmente sei que a crença que defendíamos — de que todas as pessoas que creem no Senhor em seu coração e O reconhecem verbalmente podem ser elevadas ao reino dos céus — não passa de nossa noção e imaginação! Eu compreendo agora que a obra que o Senhor Jesus realizou foi a obra de redenção e que o Senhor retornado realizará a obra de julgamento. Ou seja, Ele purificará e transformará completamente nosso caráter corrupto e só então seremos capazes de entrar no reino dos céus. Não é por menos que eu tenha lido tantos livros espirituais, mas nunca tenha encontrado a solução para o problema da pecaminosidade do homem! Irmãs, como então Deus realiza a obra de julgamento e castigo nos últimos dias? Vocês poderiam compartilhar sobre isso comigo?”.

A neblina se dissipa e eu encontro a senda para o reino dos céus

A irmã Wang disse então: “A resposta a essa pergunta está claramente exposta nas palavras de Deus, então vamos ler uma passagem delas. Deus Todo-Poderoso diz: ‘Nos últimos dias, Cristo usa uma variedade de verdades para ensinar o homem, expor a essência do homem e dissecar suas palavras e ações. Essas palavras abrangem várias verdades: o dever do homem, como o homem deveria obedecer a Deus, como o homem deveria ser leal a Deus, como o homem deve viver a humanidade normal, bem como a sabedoria e o caráter de Deus e assim por diante. Essas palavras são todas dirigidas à essência do homem e ao seu caráter corrupto. Em especial, essas palavras que expõem como o homem desdenha de Deus são faladas em relação a como o homem é a corporificação de Satanás e uma força inimiga contra Deus. Ao realizar Sua obra de julgamento, Deus não só torna clara a natureza do homem com apenas algumas palavras; Ele também expõe, trata e poda no longo prazo. Esses métodos de exposição, tratamento e poda não podem ser substituídos por palavras comuns, mas pela verdade que o homem absolutamente não possui. Apenas métodos desse tipo são considerados julgamento; só por meio de julgamento desse tipo é que o homem pode ser subjugado e completamente convencido a se submeter a Deus e, além disso, ganhar verdadeiro conhecimento de Deus. O que a obra de julgamento produz é o entendimento do homem da verdadeira face de Deus e da verdade sobre a própria rebelião. A obra de julgamento permite que o homem ganhe bastante entendimento da vontade de Deus, do propósito da obra de Deus e dos mistérios que lhe são incompreensíveis. Também permite que o homem reconheça e conheça sua substância corrupta e as raízes de sua corrupção, bem como descubra a fealdade do homem. Esses efeitos são todos produzidos pela obra de julgamento, pois a substância dessa obra é, de fato, a obra de abrir a verdade, o caminho e a vida de Deus a todos aqueles que têm fé Nele. Essa obra é a obra de julgamento realizada por Deus’ (de “Cristo realiza a obra do julgamento com a verdade” em “A Palavra manifesta em carne”).

As palavras de Deus nos dizem claramente que, nos últimos dias, Deus expressa todas as verdades necessárias para que possamos alcançar plena salvação, julgando e expondo nossa natureza satânica e essência corrupta que resistem a Deus. Todas essas palavras são a verdade, elas portam a autoridade e o poder de Deus e nos revelam o que Ele tem e é, assim como Seu caráter justo que não admite ofensa. Por meio do julgamento e castigo das palavras de Deus, e pela revelação dos fatos, alcançamos a compreensão de nossa natureza satânica e a verdade de nossa corrupção por Satanás; vemos que fomos tão profundamente corrompidos por Satanás, que somos por natureza arrogantes, vaidosos, corruptos, enganosos, egoístas, egotistas, gananciosos, perversos, ansiosos por prevalecer sobre os outros, e que tudo o que revelamos, até mesmo em nosso sangue e ossos, faz parte de nosso caráter satânico. Dominados por esse caráter corrupto, constantemente resistimos a Deus e nos rebelamos contra Ele, mesmo contra nossa vontade. Por exemplo, quando operamos e pregamos sermões em nossas igrejas, divagamos em discursos altissonantes e nos exibimos e nos exaltamos para que os outros nos admirem e nos respeitem; muitas vezes mentimos e enganamos os outros para proteger nossos interesses, chegando até mesmo a nos envolver em intrigas e a competir uns com os outros; quando nos deparamos com pessoas, eventos, coisas ou situações que contrariam nossas noções, sempre fazemos exigências irracionais a Deus ou cultivamos desejos extravagantes, e somos incapazes de nos submeter às orquestrações e arranjos de Deus. Por meio do julgamento e castigo de Suas palavras, aos poucos passamos a compreender algumas verdades, adquirimos certa compreensão real de nossa natureza satânica e sentimos verdadeiro ódio por ela, e também passamos a ter compreensão real do caráter justo de Deus. Sabemos que tipo de pessoa Deus ama e que tipo de pessoa Ele odeia, bem como que tipo de busca está de acordo com a Sua vontade. Aprendemos em parte a discernir entre coisas positivas e negativas. A partir do momento em que compreendemos essas coisas, adquirimos disposição para renunciar à carne do fundo do coração e praticar de acordo com as palavras de Deus. Com o tempo, aos poucos cresce em nós o desejo de reverenciar e amar a Deus, somos libertados de parte das amarras e grilhões de nosso caráter satânico e corrupto e fazemos menos exigências irracionais a Deus. Tornamo-nos capazes de assumir nosso lugar como seres criados e cumprir nosso dever, nos submetemos às orquestrações e arranjos de Deus e começamos a viver a semelhança de um verdadeiro ser humano. À medida que experimentamos a obra de Deus, passamos a compreender profundamente que a única senda para entrar no reino dos céus é aceitar a obra de julgamento e castigo de Deus Todo-Poderoso nos últimos dias, buscar a verdade, alcançar conhecimento de Deus e de nós mesmos e mudar nosso caráter corrupto”.

Ouvir essas palavras de Deus Todo-Poderoso e da comunicação da irmã me proporcionou uma clareza interna ainda maior. As verdades expressas por Deus Todo-Poderoso são realmente práticas e são de fato o que nós, seres humanos corruptos, precisamos. Somente aceitando e experimentando a obra de julgamento de Deus Todo-Poderoso nos últimos dias é que poderemos nos livrar das amarras e grilhões de nosso caráter corrupto de uma vez por todas! Não pude deixar de suspirar aliviado, e eu disse: “Creio no Senhor há tantos anos e, no entanto, sempre peco de dia e depois confesso esses pecados à noite, simplesmente definhando no pecado o tempo todo. Se Deus não tivesse expressado todas as verdades para purificar a humanidade, se Ele não tivesse nos mostrado a senda para nos livrarmos de nosso caráter corrupto, eu certamente acabaria de tal modo agrilhoado pelo pecado que nunca teria encontrado a senda para a liberdade. Não é por menos que o Senhor disse: ‘Ainda tenho muito que vos dizer; mas vós não o podeis suportar agora. Quando vier, porém, Aquele, o Espírito da verdade, Ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por Si Mesmo, mas dirá o que tiver ouvido, e vos anunciará as coisas vindouras’ (João 16:12-13). O Senhor Jesus nos disse há muito tempo que Ele tinha mais palavras para expressar nos últimos dias e que Ele nos conduziria para entrar em todas as verdades. As palavras de Deus Todo-Poderoso têm autoridade e poder, elas revelaram todas as verdades e mistérios que eu queria compreender mas não conseguia e me convenceram totalmente. Finalmente encontrei a senda para entrar no reino dos céus!”. As duas irmãs assentiram alegremente.

Então eu disse, entusiasmado: “Essa é a voz do Senhor. Deus Todo-Poderoso é o Senhor Jesus retornado! Algo que eu desejava há tanto tempo finalmente aconteceu e eu sou tão afortunado, tão abençoado! Quando o Senhor Jesus nasceu, Simeão sentiu uma alegria incrível ao ver o menino Jesus, que tinha apenas oito dias de idade. Por ter sido capaz de acolher o retorno do Senhor e ouvir as Próprias declarações de Deus em minha vida, sou muito mais afortunado do que Simeão e sou muito grato ao Senhor!”. Ao falar, fiquei extremamente comovido e chorei de emoção. Ajoelhei-me no chão para orar a Deus, mas chorava tanto que não conseguia falar; as irmãs também foram levadas às lágrimas.

O desgosto que havia me atormentado por tantos anos fora finalmente solucionado por meio das palavras de Deus Todo-Poderoso. Pensei em como eu havia buscado em vão por toda parte a senda da purificação que levaria ao reino dos céus, mas que agora eu finalmente a encontrei. Eu sei que isso é a graça e a salvação de Deus para mim! Mais tarde, participando de encontros e comunicando com irmãos e irmãs as palavras de Deus Todo-Poderoso, passei a entender mais e mais verdades e adquiri certa compreensão da vontade de Deus para nos salvar. Agora desejo aceitar mais julgamento e castigo das palavras de Deus, experimentar Sua obra, gradualmente me livrar de meu caráter corrupto e ser purificado. Graças a Deus!

Conteúdo Relacionado