Aplicativo da Igreja de Deus Todo-Poderoso

Ouça a voz de Deus e dê as boas vindas ao retorno do Senhor Jesus!

Convidamos a todos os buscadores da verdade que entrem em contato conosco.

Testemunhos a Cristo dos últimos dias

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Largura da página

0 resultados

Nenhum resultado encontrado

15. Por que as igrejas são capazes de regredir em religião?

Palavras de Deus relevantes:

A cada estágio da obra de Deus correspondem exigências feitas ao homem. Os que estão dentro da corrente do Espírito Santo possuem a presença e a disciplina do Espírito Santo, e aqueles que não estão dentro da corrente do Espírito Santo estão sob o comando de Satanás e desprovidos de qualquer parte da obra do Espírito Santo. Os que estão na corrente do Espírito Santo são aqueles que aceitam a nova obra de Deus, aqueles que colaboram com a nova obra de Deus. Se os que estão dentro dessa corrente forem incapazes de colaborar e de colocar em prática a verdade requerida por Deus durante essa era, nesse caso serão disciplinadas e, na pior das hipóteses, abandonados pelo Espírito Santo. […] O mesmo não ocorre com as pessoas que não aceitam a nova obra: estão fora da corrente do Espírito Santo e a disciplina e a reprovação do Espírito Santo não se aplicam a elas. Todos os dias essas pessoas vivem na carne, vivem em sua mente e só agem de acordo com a doutrina produzida pela análise e pesquisa de seu próprio cérebro. Isso não é cumprir as exigências da nova obra do Espírito Santo e muito menos colaborar com Deus. Os que não aceitam a nova obra de Deus são privados da presença de Deus e, ademais, desprovidos das bênçãos e proteção de Deus. A maior parte de suas palavras e ações se prendem a exigências passadas da obra do Espírito Santo; são doutrina, não verdade. Tal doutrina e tais normas bastam para provar que a única coisa que os une é a religião; não são os escolhidos ou os objetos da obra de Deus. A reunião deles só pode ser considerada um grande congresso religioso e não uma igreja. Esse é um fato inalterável. Eles não têm a nova obra do Espírito Santo; o que fazem se assemelha a religião, o que vivem parece ser pleno de religião; eles não possuem a presença e a obra do Espírito Santo, muito menos são dignos de receber a disciplina ou a iluminação do Espírito Santo. Essas pessoas são cadáveres inertes e vermes desprovidos de espiritualidade. Não têm conhecimento da rebeldia e oposição do homem, não têm conhecimento de todos os malfeitos do homem, muito menos sabem tudo sobre a obra de Deus e a vontade atual de Deus. São pessoas ignorantes, reles, escória indigna do nome de crentes!

de ‘A obra de Deus e a prática do homem’ em “A Palavra manifesta em carne”

Se tratam a verdade como um dogma a aderir em sua fé, as pessoas estão propensas a cair em cerimônia religiosa? E qual é a diferença entre a aderência a esse tipo de cerimônia religiosa e a fé do cristianismo? Pode haver diferenças entre os ensinamentos antigos e novos e o que é dito pode ser mais profundo e mais progressivo, mas se os ensinamentos nada mais são que um tipo de teoria e se apenas se tornam uma forma de cerimônia, de doutrina para as pessoas — e, do mesmo modo, elas não podem ganhar a verdade a partir disso nem entrar na realidade da verdade, então a fé dessas pessoas não é a mesma do cristianismo? Em essência, isso não é cristianismo? Então, em seu comportamento e no desempenho do seu dever, em que aspectos vocês mantêm os mesmos ou semelhantes pontos de vista dos crentes no cristianismo? A busca por um bom comportamento superficial, fazendo de tudo para criar um pretexto para si mesmos ao usar a aparência da espiritualidade; personificando uma pessoa espiritual; dando a aparência de espiritualidade àquilo que vocês dizem, fazem e revelam; fazendo umas poucas coisas que, na noção e imaginação das pessoas, sejam louváveis — tudo isso é a busca da falsa espiritualidade, é hipocrisia. Vocês ficam de pé no alto, falando palavras e teorias, dizendo às pessoas para praticar boas ações, para ser boas e se concentrar em perseguir a verdade, mas, no próprio comportamento e no desempenho dos seus deveres, vocês nunca buscaram a verdade, nunca agiram segundo os princípios da verdade, nunca entenderam o que é dito na verdade, o que é a vontade de Deus, quais são os padrões que Ele exige do homem — vocês nunca levaram nada disso a sério. Quando encontram algumas questões, agem inteiramente de acordo com a vontade de vocês e põem Deus de lado. Essas ações externas e esses estados interiores significam temer a Deus e evitar o mal? Se não houver conexão entre a fé das pessoas e sua busca da verdade, não importa quantos anos acreditem em Deus, elas serão incapazes de temer a Deus e evitar o mal genuinamente. E então que tipo de senda pessoas assim trilham? Com o que elas passam os dias se equipando? Não é com palavras e teorias? Elas não passam os dias se armando, se revestindo com palavras e teorias, para se tornarem mais parecidas com os fariseus, mais como pessoas que supostamente servem a Deus? O que são todas essas ações? Elas só estão agindo sem se envolver; estão agitando a bandeira da fé e realizando ritos religiosos, tentando enganar a Deus a fim de alcançar seu objetivo de ser abençoadas. Elas não adoram a Deus de jeito nenhum. No fim, tal grupo de pessoas não acabará como aquelas dentro da igreja que supostamente servem a Deus e que supostamente acreditam em Deus e O seguem?

de ‘Só se viver diante de Deus o tempo todo é que você pode trilhar a senda da salvação’ em “Registros das falas de Cristo”

Que nome Deus dá para aqueles que acreditavam em Jeová? Judaísmo. Eles se tornaram uma espécie de grupo religioso. E como Deus define aqueles que acreditam em Jesus? (Cristianismo.) Aos olhos de Deus, o judaísmo e o cristianismo são grupos religiosos. Por que Deus os define assim? Dentre todos aqueles que são membros desses organismos religiosos definidos por Deus, há alguém que teme a Deus e evita o mal, que faz a vontade de Deus e segue o caminho de Deus? (Não.) Então, você consegue ver se, aos olhos de Deus, aqueles que nominalmente seguem a Deus são todos as pessoas que Ele reconhece como crentes em Deus? Aos olhos de Deus, todos eles têm uma conexão com Deus? Todos eles poderiam ser alvos da salvação de Deus? (Não.) Então, chegará um dia em que estarão reduzidos ao que Deus vê como um grupo religioso? (É possível.) Ser reduzido a um grupo religioso, isso parece inconcebível. Se se tornarem parte de um grupo religioso aos olhos de Deus, as pessoas serão salvas por Ele? Elas são da casa de Deus? (Não, não são.) Então, pensem e tentem resumir: essas pessoas que não são da casa de Deus, que nominalmente acreditam no Deus verdadeiro, mas de quem Deus acredita ser parte de um grupo religioso — que senda elas trilham? É possível dizer que essas pessoas trilham a senda de agitar a bandeira da fé sem nunca seguir Seu caminho, de acreditar em Deus, mas nunca O adorar e, ao contrário, abandonando-O? Ou seja, elas trilham a senda de crer em Deus, mas não seguem o caminho de Deus e abandonam Deus; o caminho delas é aquele no qual elas acreditam em Deus, mas adoram Satanás, adoram o diabo, tentam executar um gerenciamento próprio e tentam estabelecer o próprio reino. Essa é a essência disso? Pessoas assim têm alguma conexão com o plano de gerenciamento de Deus para a salvação do homem? (Não.) Não importa quantas pessoas acreditem em Deus, assim que a crença delas é definida por Deus como sendo uma religião ou um grupo, então Deus determinou que elas não podem ser salvas. Por que digo isso? Num bando ou numa multidão de pessoas que estão sem a obra e a orientação de Deus e que não O adoram de forma alguma, quem elas adoram? Quem seguem? Na forma e no nome, seguem uma pessoa, mas a quem de fato elas seguem? Em seu coração, elas reconhecem Deus, mas, na prática, estão sujeitas à manipulação, aos arranjos e ao controle humano. Elas seguem Satanás, o diabo; elas seguem as forças que são hostis a Deus, que são inimigas de Deus. Deus poderia salvar um bando de pessoas como esse? (Não.) Por quê? Elas são capazes de arrependimento? Não. Elas agitam a bandeira da fé, executam empreendimentos humanos, conduzem o próprio gerenciamento e vão contra o plano de gerenciamento de Deus para a salvação da humanidade. O desfecho final delas é ser detestadas e rejeitadas por Deus; Deus provavelmente não poderia salvar essas pessoas, elas provavelmente não se arrependeriam, já foram capturadas por Satanás — elas estão inteiramente nas mãos de Satanás. […] E assim para as pessoas desta era, que ouviram muitas verdades e chegaram a entender a vontade de Deus, se elas são incapazes de seguir o caminho de Deus e incapazes de trilhar a senda da salvação, qual será o desfecho final delas? Seu desfecho final será o mesmo daquelas que acreditam no cristianismo e no judaísmo; não haverá diferença. Esse é o caráter justo de Deus! Sejam quantos forem os sermões que você ouviu e quantas verdades entendeu, se no fim você ainda segue pessoas e segue Satanás, e no fim ainda é incapaz de seguir o caminho de Deus e incapaz de temer a Deus e evitar o mal, então pessoas como essa serão detestadas e rejeitadas por Deus. Ao que tudo indica, essas pessoas que são detestadas e rejeitadas por Deus podem falar muito sobre letras e doutrinas, chegaram a entender muitas verdades, mas ainda são incapazes de adorar a Deus; são incapazes de temer a Deus e evitar o mal e são incapazes da total obediência a Deus. Aos olhos de Deus, Deus as define como uma religião, apenas como um grupo de humanos, um bando de humanos, e como um lugar de morada para Satanás. Elas são lembradas coletivamente como o bando de Satanás e são completamente desprezadas por Deus.

de ‘Só se viver diante de Deus o tempo todo é que você pode trilhar a senda da salvação’ em “Registros das falas de Cristo”

Trechos de sermão e comunhão para referência:

O que queremos dizer quando falamos em “seguir a Deus”? Estamos nos referindo a experimentar a obra de Deus e aceitar a verdade. Se você não aceitar a verdade nem experimentar a obra de Deus, não estará experimentando o Seu julgamento e castigo, o que significa que você não O seguirá. Como chamamos aqueles que não seguem a Deus, mas que creem Nele? Nós os chamamos de crentes religiosos. Não é esse o tipo de crença daqueles que creem em Deus no mundo religioso? Eles apenas creem no Deus do céu, mas não O seguem nem experimentam a Sua obra, e se apegam somente à Bíblia e à chamada escritura. Todos os dias leem um parágrafo, oram de maneira religiosa e ponto final. Isso não tem nada a ver com a vida deles, com sua maneira de viver. Fazem apenas o que deveriam fazer. Isso é o que chamamos crença religiosa. Não aceitam a nova obra de Deus nem a experimentam. Portanto, sua fé existe apenas para preencher um vazio em sua alma, satisfazer seu coração sofredor e buscar algum tipo de amparo. As pessoas com esse tipo de fé serão capazes de dar um testemunho de Deus belo e contundente? Certamente não serão capazes de dar testemunho, pois não se concentram em despender-se por Deus, nem na obediência a Deus, nem na vida, e, devido a isso, não dão testemunho. Portanto, sempre que são perseguidos, são poucos os que conseguem permanecer firmes. Quando suas vidas estão em risco, todos traem a Deus. Talvez alguns de vocês refutem isso e digam: “Na Era da Graça e na Era da Lei, não havia muitos mártires?” Isso não está errado. Aqueles mártires tinham a obra do Espírito Santo e também eram seguidores de Deus naquelas eras. Sua crença não era crença religiosa. Os que experimentaram a obra de Deus durante a Era da Lei eram pessoas que O seguiram na Era da Lei. Os que experimentaram a obra de Deus durante a Era da Graça eram pessoas que O seguiram na Era da Graça. Na Era do Reino, aqueles entre nós que experimentam a obra de Deus nos últimos dias são também seguidores de Deus. Entretanto, enquanto Deus encarnado dos últimos dias está realizando a Sua obra pessoalmente, os crentes que ainda estão na Era da Graça e na Era da Lei não aceitam a obra de Deus dos últimos dias ou seguem Cristo dos últimos dias, assim sua fé em Deus se transformou em crença religiosa.

de ‘Mais sobre o significado e a importância de buscar a verdade’ em “Sermões e comunhão sobre a entrada na vida XI”

Primeiramente, devemos compreender como os círculos religiosos são formados e a diferença entre igreja e religião. É muito necessário esclarecer essas questões. Vemos na Bíblia que, durante cada etapa da obra de Deus, as pessoas escolhidas por Deus foram guiadas e pastoreadas por aqueles que Deus havia pessoalmente estabelecido e nomeado. Por exemplo, durante a Era da Lei, Deus diretamente usou Moisés para liderar o povo de Israel, e Ele fez com que Moisés organizasse o sistema sacerdotal. Depois que a obra de Moisés foi concluída, não havia mais pessoas na terra que tivessem sido diretamente nomeadas por Deus para liderar os israelitas. Sacerdotes começaram a ser eleitos pelo povo. Esse é o contexto da criação dos círculos religiosos judaicos. Desde então, o sistema sacerdotal no judaísmo tem sido formado por eleições de círculos religiosos. Muitas vezes, os círculos religiosos se corromperam gradualmente porque os sacerdotes errados eram selecionados. Quando o Senhor Jesus encarnado apareceu e operou durante a Era da Graça, os círculos religiosos haviam decaído ao ponto de resistirem e condenarem a Cristo e de se tornarem inimigos de Deus. Esse é um fato que todos testemunharam na época. Quando o Senhor Jesus veio para a terra para realizar Sua obra de redenção, Ele selecionou pessoalmente os doze discípulos. O Espírito Santo também começou a operar na época e estava com os discípulos do Senhor Jesus. Nesse tempo, uma reunião daqueles na terra que aceitaram a obra do Senhor Jesus foi chamada de igreja, e eles eram integralmente pastoreados por pessoas nomeadas por Deus, ou seja, pessoas usadas pelo Espírito Santo. Nessa ocasião, a verdadeira igreja foi criada, e essa é a origem da igreja. Mais de trinta anos após a ressurreição e ascensão do Senhor Jesus ao céu, a maioria dos doze discípulos tinha morrido pela fé, e a igreja na terra não era mais pastoreada pelos discípulos do Senhor Jesus diretamente nomeados. Então, vários tipos de grupos religiosos foram formados. Esse é o contexto da criação dos círculos religiosos durante a Era da Graça. Depois disso, independentemente de terem ou não a obra do Espírito Santo, as pessoas, contanto que conseguissem falar sobre a Bíblia, podiam organizar uma igreja. Contanto que fossem dotadas, as pessoas concordavam com elas e as seguiam. Eles podiam operar e pregar como quisessem sem que ninguém as restringisse, por isso várias denominações começaram a se formar. O que é uma igreja, e o que é religião? Podemos dizer que grupos conduzidos e pastoreados por pessoas usadas pelo Espírito Santo são igrejas, enquanto aqueles conduzidos e pastoreados e por pessoas que não são usadas pelo Espírito Santo são religião. Essa é a divisão mais simples e verdadeira. As verdadeiras igrejas têm a obra do Espírito Santo. A obra do Espírito Santo muito raramente aparece na religião e, mesmo quando aparece, isso acontece apenas nas poucas pessoas que realmente creem em Deus e buscam a verdade. Essa é a diferença entre igreja e religião. Para as igrejas, é crítico saber se os pastores são ou não trabalhados e usados pelo Espírito Santo. Se o pastor é alguém que busca a verdade e percorre a senda correta, então a obra do Espírito Santo está presente. Se o pastor não é alguém que busca a verdade e percorre a senda dos fariseus, então a obra do Espírito Santo não está presente. Contanto que as pessoas possam distinguir entre pastores reais e falsos, elas poderão encontrar uma igreja real.

da comunhão do alto

Anterior:O que é envolver-se em cerimônia religiosa?

Próximo:O que é um anticristo? Como pode um anticristo ser discernido?

Conteúdo Relacionado

  • O que são feitos malignos? Quais são as manifestações dos feitos malignos?

    Palavras de Deus relevantes: Qual é o critério pelo qual os feitos de uma pessoa são avaliados como bons ou maus? Depende de, em seus pensamentos, exp…

  • Reconheça as diferenças entre o Cristo encarnado e os falsos cristos e falsos profetas

    Ele que é a encarnação de Deus deve possuir a substância divina, e Ele que é a encarnação de Deus deve possuir a expressão de Deus. Já que Deus Se torna carne, Ele levará adiante a obra que precisa fazer, e já que Deus Se torna carne, Ele expressará o que Ele é e será capaz de trazer a verdade ao homem, conceder vida ao homem e mostrar o caminho ao homem. Carne que não contém a substância de Deus certamente não é o Deus encarnado; disso não há dúvida. Para investigar se é a carne encarnada de Deus, o homem deve determinar isso a partir do caráter que Ele expressa e das palavras que Ele fala. O que quer dizer, se é ou não a carne encarnada de Deus, se é ou não o verdadeiro caminho deve ser julgado pela Sua substância. E assim, ao determinar[a] se é a carne do Deus encarnado, a chave é prestar atenção na Sua substância (Sua obra, Suas palavras, Seu caráter e muito mais), em vez de na aparência exterior. Se o homem olha apenas a Sua aparência exterior e ignora a Sua substância, então isso mostra a ignorância e a ingenuidade do homem.

  • Por que Deus tem nomes diferentes em eras diferentes? Quais são os significados por trás dos nomes de Deus?

    Palavras de Deus relevantes: Poderia o nome de Jesus — “Deus conosco” — representar o caráter de Deus em sua totalidade? Poderia ele expressar Deus c…

  • A Bíblia é apenas um registro dos dois estágios da obra de Deus na Era da Lei e na Era da Graça; não é um registro da totalidade da obra de Deus

    Ninguém conhece a realidade da Bíblia: que não é mais do que um registro histórico da obra de Deus e um testamento dos dois estágios anteriores da obra de Deus, e não oferece uma compreensão dos objetivos da obra de Deus. Todo mundo que leu a Bíblia sabe que documenta os dois estágios da obra de Deus durante a Era da Lei e a Era da Graça. O Antigo Testamento narra a história de Israel e a obra de Jeová desde o tempo da criação até o fim da Era da Lei. O Novo Testamento registra a obra de Jesus na terra que está nos Quatro Evangelhos, bem como a obra de Paulo; eles não são registros históricos?