3. Quais são as diferenças entre os desfechos dos servidores e os das pessoas de Deus?

Palavras de Deus relevantes:

Neste exato momento, a maioria dos humanos (isto é, todos, exceto os filhos primogênitos) estão nessa condição. Tenho apontado essas coisas com tanta clareza, mas essas pessoas não têm reação e ainda se importam com seus prazeres carnais. Comem e depois dormem; dormem e depois comem. Não refletem sobre as Minhas palavras. Mesmo quando fiquem energizadas, é apenas por um tempo; depois ainda são tal qual eram, nadassem nenhuma mudança, como se não tivessem absolutamente Me ouvido. Esses são os típicos humanos inúteis que não têm encargos; são os mais óbvios dos parasitas. Numa data posterior, Eu os abandonarei um a um; não se preocupem! Um a um, Eu os mandarei de volta ao abismo sem fundo. O Espírito Santo nunca operou em tais pessoas, e tudo que elas fazem flui dos dons que receberam. Quando falo de dons, quero dizer que essas são pessoas sem vida, que são Meus servidores. Não quero nenhuma delas e as eliminarei (mas, neste momento, elas ainda têm uma pequena utilidade). Vocês que são servidores, escutem! Não pense que Eu usar você significa que Eu favoreça você. Não é tão simples. Se quiser que Eu o favoreça, você deverá ser alguém que Eu aprovo e que Eu aperfeiçoo pessoalmente. Esse é o tipo de pessoa que Eu amo. Mesmo que as pessoas digam que Eu cometi um erro, Eu nunca renegarei. Você sabe disso? Aqueles que prestam serviço são nada além de gado e cavalos; como eles podem ser Meus filhos primogênitos? Isso não seria absurdo? Isso não seria uma violação das leis da natureza? Quem quer que tenha a Minha vida e a Minha qualidade, esses são Meus filhos primogênitos. Isso é uma coisa razoável; ninguém pode refutar isso. Deve ser assim; caso contrário não haveria ninguém que pudesse desempenhar esse papel, ninguém que pudesse substitui-lo. Essa não é uma questão tratada com a emoção, pois Eu sou o Próprio Deus justo; Eu sou o Próprio Deus santo; Eu sou o Próprio Deus majestoso que não pode ser ofendido!

Extraído de ‘Capítulo 102’ das Declarações de Cristo no princípio em “A Palavra manifesta em carne”

Quando a obra de Deus for terminada, se a pessoa tiver se livrado do título de “servidor”, se despido dessa designação e deixado para trás essa condição, isso será motivo de celebração, não será? O que isso significa? Significa que, aos olhos de Deus, essa pessoa não é mais um leigo ou um incrédulo; ela é agora um membro da casa e do reino de Deus. Membro da casa e do reino de Deus — de onde vem esse título? Como as pessoas o obtêm? Ele vem de pagar um preço, e, por meio do entendimento da verdade, você buscou a verdade e alcançou certo nível de mudança em seu caráter; agora você consegue se submeter a Deus e reverenciá-Lo, e se tornou um membro de Sua casa. Como Jó e Pedro, você não precisa mais passar pela perseguição e a corrupção de Satanás. Você é capaz de viver livremente na casa de Deus e em Seu reino, e não precisa mais lutar contra seu caráter corrupto; você é, aos olhos de Deus, um objeto verdadeiro da criação e um humano genuíno. Isso significa que os dias de adversidade sofridos por uma pessoa que foi corrompida por Satanás passaram definitivamente; agora é o tempo de paz, alegria e felicidade, em que uma pessoa pode viver na luz do semblante do Criador e ao lado de Deus. Isso é motivo de celebração, não é? (Sim.) No entanto, no fim, aquelas outras pessoas ainda não se livraram do título de “servidores”, e neste momento em que a obra de Deus é concluída, elas ainda não se livraram do título de “servidores” — dessa “coroa de louros” que carregam na cabeça. O que isso significa? Significa que elas permanecerão leigas; significa que, aos olhos de Deus, ainda serão incrédulas. Por que isso significa essas duas coisas? A razão está no fato de que essas pessoas não praticam a verdade, não alcançaram mudança de caráter e não conseguem se submeter a Deus, muito menos reverenciá-Lo; como resultado, não terão papel a exercer na casa e no reino de Deus. Não tendo papel algum ali, onde residirão? Residirão fora do reino de Deus. Essas pessoas ainda serão chamadas de “servidores”, o que significa que não serão vistas por Deus como Seus seguidores e que não se tornarão membros de Sua casa. Significa também que nunca poderão ser seguidores de Deus e que Ele não as reconhece; jamais poderão voltar a ganhar Suas bênçãos ou Sua graça. É claro, significa também que nunca terão chance de compartilhar das boas bênçãos do reino de Deus com Ele nem de ganhar paz e alegria. Tais oportunidades terão passado. Então, para elas, este será um momento cheio de alegria, a ser celebrado, ou um momento trágico? Será um momento trágico. Quanto a serem tratadas fora da casa e do reino de Deus como portadoras do título de “servidores”, isso é algo que virá depois, e, por ora, não falaremos sobre isso. Em suma, a maneira com que serão tratadas será muito diferente de como as pessoas no reino de Deus serão tratadas — será diferente em termos de status e do tratamento que receberão, e em todos os outros aspectos. O fato de essas pessoas não terem ganhado a verdade nem alcançado mudança de caráter no tempo em que Deus operou e trouxe salvação para a humanidade não faz delas lamentáveis? São tão lamentáveis! Essas são algumas coisas que foram ditas sobre o título de “servidores”.

Extraído de ‘Para líderes e obreiros, escolher uma senda é de extrema importância (17)’ em “Registros das falas de Cristo”

Os servidores também devem ser leais. Independentemente de sua origem ou do motivo pelo qual Deus escolheu você, você deve ser leal a Deus, a qualquer comissão que Deus lhe confia e ao trabalho pelo qual você é responsável e pelos deveres que você desempenha. Quando aos servidores que são capazes de ser leais e satisfazer a Deus, qual será seu desfecho? Eles poderão permanecer. É uma bênção ser um servidor que permanece? O que significa permanecer? Qual é o significado dessa bênção? Quanto ao status, eles não parecem semelhantes aos escolhidos de Deus; eles parecem ser diferentes. Mas, na verdade, o que eles desfrutam nesta vida não é o mesmo que os escolhidos de Deus? No mínimo, é o mesmo nesta vida. Vocês não negam isso, negam? […] Se você puder ser um servidor leal, for capaz de servir até o fim e for capaz de cumprir a comissão confiada a você por Deus, então, você viverá uma vida de valor. Se puder fazer isso, você será capaz de permanecer. Se você fizer um pouco mais de esforço, se você se esforçar um pouquinho mais, conseguir dobrar seus esforços para conhecer Deus, puder falar um pouco sobre conhecer a Deus, puder dar testemunho Dele e, além disso, se você puder entender algo da Sua vontade, puder cooperar com a obra de Deus e for um tanto atento à vontade de Deus, então você, como servidor, experimentará uma mudança na sorte. E qual será essa mudança na sorte? Você não será mais simplesmente capaz de permanecer. Dependendo de sua conduta e suas aspirações pessoais e de suas buscas, Deus fará de você um dos escolhidos. Essa será sua mudança de sorte. Para os servidores, qual é a melhor coisa em relação a isso? É que eles podem se tornar um dos escolhidos de Deus. Se isso acontecer, isso significa que eles não reencarnarão mais como animais, como acontece com os incrédulos. Isso é bom? É, e é também uma boa notícia. Isso significa que servidores podem ser moldados. Não ocorre que, para um servidor, uma vez que Deus o tenha predestinado para servir, ele o fará para sempre; isso não é necessariamente assim. Deus lidará com ele e responderá a ele de uma maneira que condiga à conduta individual dessa pessoa.

No entanto, há servidores que são incapazes de servir até o fim; há aqueles que, durante o seu serviço, desistem no meio do caminho e abandonam a Deus, e há também pessoas que cometem múltiplas transgressões. Há até aqueles que causam um prejuízo tremendo e trazem perdas tremendas à obra de Deus, e há até mesmo servidores que amaldiçoam a Deus e assim por diante. O que indicam essas consequências irremediáveis? Qualquer ato maligno desse tipo significará o término de seu serviço. Porque sua conduta durante o seu serviço foi pobre demais e porque você foi longe demais, uma vez que Deus vê que seu serviço não está à altura do padrão, Ele o excluirá de sua elegibilidade para servir. Ele não permitirá mais que você sirva; Ele removerá você de diante dos Seus próprios olhos e da casa de Deus. Não é que você não quer servir? Você não está constantemente querendo fazer o mal? Você não é consistentemente infiel? Bem, há uma solução fácil: você será privado de sua elegibilidade para servir. Para Deus, privar um servidor de sua elegibilidade para servir significa que o fim desse servidor foi proclamado, e ele não será mais elegível para servir a Deus. Deus não precisará mais do serviço dessa pessoa e, não importando que coisas boas ela diga, essas palavras serão em vão. Quando as coisas chegarem a esse ponto, essa situação se tornará irremediável; servidores como esses não terão como voltar atrás. E como Deus lida com servidores como esses? Ele simplesmente os impede de servir? Não. Ele meramente impede que eles permaneçam? Ou Ele os coloca de lado e espera que eles deem meia-volta? Ele não faz isso. Na verdade, Deus não é tão amoroso quando se trata dos servidores. Se uma pessoa tem esse tipo de atitude em seu serviço a Deus, como resultado dessa atitude, Deus a privará de sua elegibilidade para servir e mais uma vez a lançará de volta para o meio dos incrédulos. E qual é o destino de um servidor que foi lançado de volta para o meio dos incrédulos? É o mesmo que o dos incrédulos: ele reencarnará como um animal e receberá a mesma punição dos incrédulos no mundo espiritual. Além disso, Deus não terá qualquer interesse pessoal na punição dessa pessoa, pois tal pessoa não tem mais qualquer relevância para a obra de Deus. Esse não é apenas o fim da sua vida de fé em Deus, mas também o fim do seu próprio destino, como também a proclamação do seu destino. Assim, se os servidores servirem mal, eles mesmos terão que suportar as consequências. Se um servidor é incapaz de servir até o fim ou é privado de sua elegibilidade para servir no meio do caminho, então ele será lançado para o meio dos incrédulos — e se isso acontecer, ele será tratado da mesma maneira como gado, da mesma forma com são tratadas as pessoas sem intelecto ou racionalidade. Quando Eu o coloco dessa forma, você consegue entender, sim?

Extraído de ‘O Próprio Deus, o Único X’ em “A Palavra manifesta em carne”

No futuro, as pessoas que sobreviverão num estado de descanso terão todas suportado o dia da tribulação e também terão dado testemunho de Deus; todas elas serão pessoas que cumpriram seus deveres e que, deliberadamente, se submeteram a Deus. Aqueles que simplesmente desejam aproveitar a oportunidade de fazer serviço com a intenção de evitar a prática da verdade não terão a permissão de permanecer. Deus tem padrões apropriados para o arranjo do desfecho de cada indivíduo; Ele não toma essas decisões simplesmente de acordo com as palavras e com a conduta da pessoa, nem as toma com base em como ela age durante um único período de tempo. De forma alguma, Ele será leniente em relação à má conduta de alguém devido ao seu serviço prestado a Deus lno passado nem poupará alguém da morte por causa de qualquer gasto feito por Deus uma única vez. Ninguém pode se esquivar da retribuição pela própria maldade, e ninguém pode encobrir um comportamento mau e, com isso, evitar o tormento da destruição. Se as pessoas realmente conseguem cumprir seu próprio dever, isso significa que elas são eternamente fiéis a Deus e não buscam recompensas, independentemente de receberem bênçãos ou sofrerem desgraças. Se as pessoas são fiéis a Deus quando veem bênçãos, mas perdem sua fidelidade quando não conseguem ver quaisquer bênçãos, e se, no fim, elas ainda são incapazes de dar testemunho de Deus ou de cumprir os deveres que lhes foram confiados, então elas ainda serão objetos da destruição a despeito de terem prestado serviço fiel a Deus anteriormente. Em suma, pessoas más não podem sobreviver por toda a eternidade nem podem entrar no descanso; só os justos são os senhores do descanso.

Extraído de ‘Deus e o homem entrarão em descanso juntos’ em “A Palavra manifesta em carne”

Anterior: 2. O que são servidores? Como eles se manifestam?

Próximo: 4. Por que algumas pessoas que renunciaram a tudo e se despenderam por Deus se tornam servidores?

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Venha conversar com a gente
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo relacionado

2. Por que se diz que pastores e presbítereos religiosos estão todos trilhando a senda dos fariseus e qual é a essência deles

Basta olhar para os líderes de cada denominação — são todos arrogantes e hipócritas, eles interpretam a Bíblia fora de contexto e de acordo com a própria imaginação. Eles todos se fiam em seus dons e em sua erudição para realizar seu trabalho. Se fossem incapazes de pregar qualquer coisa, será que aquelas pessoas iriam segui-los? Afinal de contas, eles, de fato, possuem certo conhecimento e conseguem pregar sobre alguma doutrina, ou sabem como conquistar as pessoas e como usar alguns artifícios. Eles usam isso para trazer as pessoas para si mesmos e enganá-las. Teoricamente, essas pessoas acreditam em Deus, mas, na realidade, seguem seus líderes. Se encontrarem alguém pregando o caminho verdadeiro, algumas dizem: “Temos que consultar nosso líder sobre a nossa fé”. A fé dessas pessoas tem de passar por um ser humano; isso não é um problema? Então, no que esses líderes se transformaram? Será que não se tornaram fariseus, falsos pastores, anticristos e pedras de tropeço para que as pessoas aceitem o caminho verdadeiro?

1. O que são a igreja de Deus e grupos religiosos

Hoje, todos aqueles que seguem as palavras atuais de Deus estão na corrente do Espírito Santo; os que são estranhos às palavras atuais de Deus estão fora da corrente do Espírito Santo, e tais pessoas não são elogiadas por Deus. Um serviço divorciado das declarações atuais do Espírito Santo é um serviço que é da carne e de concepções, e é incapaz de estar de acordo com a vontade de Deus. Se as pessoas vivem entre concepções religiosas, elas não são capazes de fazer nada que é apto para a vontade de Deus e, embora sirvam a Deus, elas servem em meio à sua imaginação e concepções e são totalmente incapazes de servir conforme a vontade de Deus. Aqueles que são incapazes de seguir a obra do Espírito Santo não compreendem a vontade de Deus, e aquelas que não compreendem a vontade de Deus não podem servir a Deus. Deus quer serviço que seja segundo Seu coração; Ele não quer serviço que é de concepções e da carne. Se as pessoas são incapazes de seguir os passos da obra do Espírito Santo, elas vivem em meio a concepções. O serviço de tais pessoas interrompe e perturba e tal serviço vai contra Deus. Portanto, aqueles que são incapazes de seguir os passos de Deus são incapazes de servir a Deus; com toda certeza, aqueles que são incapazes de seguir os passos de Deus se opõem a Deus e não são capazes de ser compatíveis com Deus. “Seguir a obra do Espírito Santo” significa entender a vontade de Deus hoje, ser capaz de agir em conformidade com as atuais exigências de Deus, ser capaz de obedecer e seguir ao Deus de hoje e entrar em concordância com as declarações mais recentes de Deus. Só essa pessoa é alguém que segue a obra do Espírito Santo e está na corrente do Espírito Santo.

1. Por que Deus tem nomes diferentes em eras diferentes e o significado de Seus nomes

Em todas as eras em que Deus faz Sua própria obra pessoalmente, Ele utiliza um nome que convém à era de forma a resumir a obra que Ele pretende fazer. Ele utiliza esse nome em particular, que possui significado temporal, para representar Seu caráter naquela era. Isso é Deus utilizando a linguagem da humanidade para expressar Seu próprio caráter.

1. O que foi pregado pelo Senhor Jesus na Era da Graça era apenas o caminho do arrependimento

Na época, a obra de Jesus foi a redenção de toda a humanidade. Os pecados de todos que acreditavam Nele foram perdoados; contanto que você acreditasse Nele, Ele o redimiria; se você acreditasse Nele, não era mais pecador e estava aliviado de seus pecados. É isso que significava ser salvo e ser justificado pela fé. No entanto, naqueles que acreditavam ainda restava o que era rebelde e se opunha a Deus e o que ainda precisava ser removido lentamente. A salvação não significava que o homem havia sido completamente ganho por Jesus, mas sim que o homem não era mais do pecado, que ele havia sido perdoado de seus pecados: se você acreditasse, nunca mais seria do pecado.

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro