Aplicativo da Igreja de Deus Todo-Poderoso

Ouça a voz de Deus e dê as boas vindas ao retorno do Senhor Jesus!

Convidamos a todos os buscadores da verdade que entrem em contato conosco.

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Largura da página

0 resultados

Nenhum resultado encontrado

Capítulo 19. O sentido de Deus experimentar a dor do mundo

Deus está encarnado para sofrer em favor do homem e, ao fazer isso, ele realizará o destino maravilhoso que se seguirá para a humanidade. Aquele estágio da obra completado por Jesus foi somente o Seu tornar-Se à semelhança da carne pecaminosa e ser crucificado, Seu servir como uma oferta pelo pecado e redimir toda a humanidade, e isso lançou o fundamento para a entrada futura da humanidade em seu maravilhoso destino. Ele tomou os pecados do homem sobre Si Mesmo e adquiriu a semelhança da carne pecaminosa e foi crucificado; Ele tomou os pecados do homem sobre Si Mesmo e Se tornou a oferta pelo pecado e, depois disso, a humanidade estava redimida. Isto é, isso serviu de testemunho de que o homem pode estar sem pecado e finalmente pode comparecer diante de Deus: foi um contra-ataque na guerra contra Satanás. Durante os últimos dias, Deus completará Sua obra e finalizará a era antiga e Ele levará para o seu maravilhoso destino aqueles que restam da humanidade. Assim, Deus uma vez mais Se tornou carne e, além de conquistar o homem, Ele veio para suportar algum sofrimento a no lugar do homem. Todo o sofrimento do homem será removido dele por meio desse testemunho, desse feito, que é Deus dando testemunho de Si Mesmo e usando esse testemunho e esse ato de testemunhar para derrotar Satanás, humilhar o diabo e concretizar o destino maravilhoso da humanidade.

Algumas pessoas dizem: “A obra da encarnação ainda é feita pelo Próprio Deus. Não é essa carne que a faz, ela é feita sob o controle do Espírito que está dentro”. Está correto dizer isso? Não está correto. Foi dito antes que a obra de conquista do Deus encarnado é feita na humanidade normal, que o que você pode ver é a humanidade normal, quando realmente é o Próprio Deus que está fazendo a obra e que a obra que essa carne faz está sendo feita por Deus Mesmo. É assim que foi explicado e comunicado. As pessoas muitas vezes pensam que essa carne é apenas uma ferramenta ou uma casca. Se Deus dentro Dele falar ou controlá-Lo, essa carne falará ou atuará, e nada faz sem o controle de Deus. Se for controlado para dizer algo, Ele diz algo, senão Ele permanece em silêncio. É essa a situação? Não, não é. A explicação mais poderosa agora é esta: um dos aspectos de Deus Se tornar carne nos últimos dias é que Ele veio para fazer a obra de conquista e finalizar esta era; outro aspecto é que a carne experimentando a dor do mundo é o Próprio Deus experimentando a dor do mundo – a carne de Deus e o Próprio Deus são uma coisa só. Essa carne não é uma ferramenta como as pessoas pensam que Ele é, nem é apenas uma casca; Ele tampouco é uma coisa física que pode ser controlada, como as pessoas pensam. Essa carne é a corporificação do Próprio Deus. Na verdade, as pessoas entendem isso de maneira muito simplificada. Se isso for apenas comunicado desse modo, as pessoas facilmente separarão a carne do Espírito. Agora as pessoas devem entender outro aspecto: o Deus encarnado veio para experimentar a dor do mundo; todas as tribulações e enfermidades que a encarnação sofre são coisas que Ele não deveria sofrer. Algumas pessoas pensam que, sendo Ele carne ordinária e normal, esse sofrimento é inevitável. Elas pensam: “As pessoas terão dor de cabeça e uma febre leve, e Ele também terá isso. Isso é algo que não pode ser evitado, pois Ele é carne ordinária e normal. Ele não é transcendente. Ele é uma pessoa ordinária e deve sofrer o que quer que as pessoas sofrem. Ele tem de sentir calor como as pessoas sentem e ser agredido pelo frio como as pessoas são; Ele tem de pegar resfriados como as pessoas pegam...” Se você pensa isso, está vendo apenas a ordinariedade e normalidade da carne. Essa carne normal é exatamente como o homem, não se diferenciando em nada. De fato, porém, tudo que Ele sofre tem sentido. As pessoas normalmente ficam doentes ou sofrem de alguma outra coisa e é isso que as pessoas devem sofrer. Pessoas corrompidas devem sofrer desse modo e essa é uma lei normal. Por que o Deus encarnado suporta esse sofrimento? Jesus deveria ter sido crucificado? Jesus foi um ser humano justo. De acordo com as leis daquela época e por todas as coisas que Ele fez, Ele não deveria ter sido crucificado. Então por que Ele foi? Ele foi crucificado para que toda a humanidade pudesse ser redimida. Toda a dor e toda a perseguição pelas quais passou a atual encarnação aconteceram por acaso? Ou Deus as arranjou de propósito? O fato é que nem Deus as arranjou de propósito nem elas aconteceram por acaso. Elas se desenvolveram de acordo com as leis normais. Por que digo isso? Isso sucede porque Deus colocou a Si Próprio no meio dos homens, de modo a realizar Sua obra livremente. Ao realizar Sua obra, Ele é exatamente como o homem e sofre o mesmo que o homem. Se Ele arranjasse alguma dor intencionalmente, Ele sofreria por poucos dias, mas ordinariamente Ele não seria afligido. Isso quer dizer que a obra de Deus de experimentar a dor do mundo não foi arranjada de propósito, muito menos é sofrida inconscientemente. É que Ele veio para experimentar a dor do mundo, para colocar a Si Próprio entre os homens, para colocar a Si Próprio no meio dos homens e suportar a mesma dor que eles suportam, para ser tratado igualmente e não ser excetuado de nada. Assim como vocês sofrem perseguição, Cristo também não sofre perseguição? Como vocês são caçados e perseguidos, Cristo também não é caçado e perseguido? As pessoas sofrem enfermidades, então Seu sofrimento é diminuído? Ele não é excetuado. Esse assunto é fácil de entender? Também há quem pense que Deus deve suportar essa dor por ter vindo para operar na nação do grande dragão vermelho. Isso não está igualmente errado? Para Deus, não há argumento em torno de se Ele deveria ou não sofrer alguma dor; Deus disse que desejou experimentar a dor do mundo e que, ao mesmo tempo em que sofre essa dor, Ele a sofreria em favor do homem. Então Ele levaria a humanidade para o seu destino maravilhoso e Satanás ficaria plenamente convencido. Para Deus, é necessário que Ele suporte esse sofrimento. Se Ele não quisesse sofrer neste estágio, se Ele apenas quisesse compreender a dor do homem e nada mais, Ele poderia usar uns poucos apóstolos ou aqueles que foram usados pelo Espírito Santo para tomar Seu lugar e prestar relatório a Ele a respeito da sua dor. Ou Ele poderia usar algumas pessoas especiais para dar testemunho, fazendo com que elas suportassem a pior dor do mundo e, se conseguissem suportá-la, elas poderiam dar esse testemunho e Satanás ficaria plenamente convencido e se concretizaria um futuro em que a humanidade não mais sofreria. Deus poderia fazer isso? Sim, Ele poderia fazer isso. Porém, a obra do Próprio Deus só pode ser feita por Ele. Embora o homem pudesse muito bem dar testemunho, seu testemunho não repercutiria em Satanás e ele diria: “Agora que Você se tornou carne, por que não experimenta a dor do mundo Você Mesmo? …” Isso quer dizer que, se Deus não fizesse Ele Próprio essa obra, esse tipo de testemunho não teria força suficiente. A obra de Deus tem de ser feita por Ele Próprio; esse é o único caminho prático. Também pode ser visto a partir deste estágio da obra de Deus que tudo que Deus faz tem sentido, que toda a dor suportada pela encarnação tem sentido. Você pode ver que nada do que Deus faz é feito aleatoriamente ou a bel-prazer, e que Deus nada faz que não tenha utilidade. A encarnação veio para fazer Sua obra e para experimentar a dor do mundo. É importante que Deus faça essa obra e é muito essencial tanto para a humanidade quanto para o destino futuro da humanidade. É tudo para a salvação do homem, para a obtenção do homem – esses feitos são realizados e esse esforço é despendido pelo destino maravilhoso do homem.

O aspecto de verdade que é a encarnação deve ser discutido a partir de várias perspectivas:

1. A necessidade da carne ordinária e normal.

2. O aspecto prático da obra da carne ordinária e normal.

3. O sentido da vinda de Deus para o meio dos homens para experimentar a dor do mundo, isto é, sua necessidade.

Por que Deus quer experimentar a dor do mundo? Seria possível não fazer as coisas dessa maneira? Há outro aspecto de sentido aqui. A obra dessa carne ordinária e normal pode conquistar o homem e aperfeiçoar o homem. De acordo com a essência do homem e as leis que governam a vida, no entanto, o homem continua a viver em um vazio, dor, pesar e suspiros. As enfermidades do homem ainda não podem ser descartadas. Por exemplo, você ainda vive normalmente, você já foi aperfeiçoado por Deus, seu amor por Deus já atingiu certo estágio e você também tem alguma experiência em entender Deus e seu caráter corrupto foi resolvido. Eu então digo que agora você foi aperfeiçoado, que você é alguém que ama a Deus e, assim, continua a viver dessa maneira. Você sente que agora seu caráter corrupto foi resolvido, você pensa que ter experimentado esse amor por Deus é muito significativo, você sente que viver e amar a Deus é ótimo e que você pode ser considerado como alguém que fez algumas realizações. Suponha que o homem foi salvo até esse ponto e então Deus foi embora e a obra da encarnação terminou. As enfermidades do homem, o vazio do mundo, o pesar e os problemas da carne humana, então, ainda existiriam, logo, isso significaria que a obra de salvação do homem por Deus não teria realmente sido completada. Algumas pessoas foram aperfeiçoadas e entendem Deus, são capazes de amar a Deus e adorá-Lo. Contudo, elas são capazes de resolver seus próprios problemas e suas próprias enfermidades? Nem mesmo com a verdade esses problemas podem ser resolvidos. Ninguém diria: “Eu possuo a verdade de tal modo que, embora meu corpo esteja mal, ainda assim não me sinto afligido”. Ninguém pode resolver essa dor. Você só pode dizer: “Sinto agora que minha vida faz muito sentido, mas estou doente e ainda sinto muita dor”. Não é isso o correto? Não é isso sentir o que é real? Assim, se a encarnação realizasse apenas a obra de conquistar e aperfeiçoar o homem, se a encarnação não resolvesse toda a dor da carne humana, em vez disso apenas aperfeiçoasse o homem, toda a dor e as enfermidades do homem, todos os sofrimentos e alegrias do mundo e todos os problemas que o homem enfrenta enquanto vive na terra ficariam sem ser resolvidos. Mesmo que você pudesse viver na terra por mil anos ou dez mil anos e nunca morrer, esses problemas continuariam sem ser resolvidos, e as questões do nascimento, da morte, da doença e da velhice ainda ficariam sem ser resolvidas. Algumas pessoas são absurdas e perguntam: “Deus, Tu não podes resolver esses problemas?” É desse problema que estou falando agora, que Deus veio para experimentar essas coisas e, depois de experimentá-las, Ele resolverá todas elas cabalmente, desde a raiz, de modo que, depois disso, a humanidade nunca mais voltará a experimentar nascimento, morte, doença e velhice. Jesus provou a morte; a atual encarnação de Deus experimenta a dor do nascimento e da doença (Ele não precisa experimentar a velhice e, depois disso, o homem não ficará velho). Ele experimentou toda essa dor de modo que, no final, ela poderá ser toda removida do homem. Depois que tiver sofrido tudo em favor do homem, Ele terá um testemunho poderoso que finalmente concretizará o destino maravilhoso que se seguirá para a humanidade, que é a eliminação de nascimento, morte, doença e velhice. Isso não é algo significativo? Assim, a encarnação experimenta o sofrimento do mundo, quer se trate de nascimento, doença, dificuldade ou dor, e qualquer desses aspectos de sofrimento que seja suportado, isso é sofrido em favor da humanidade. Ele serve com símbolo e como indicativo; Ele sofreu tudo e tomou tudo sobre Si Mesmo, de modo que a humanidade não precise sofrer nunca mais. O sentido está bem aqui. Depois que o homem tiver sido aperfeiçoado, ele poderá adorar a Deus, amar a Deus e fazer coisas de acordo com a vontade de Deus, de acordo com Sua palavra e de acordo com Suas exigências. Ele então resolverá os problemas e a dor do homem. Esse é o sentido por trás do Seu sofrimento em favor do homem, que o homem na terra possa não só prestar culto a Deus, mas também possa estar sem a aflição e enredamento das enfermidades, bem como sem o nascimento, a morte, a doença e a velhice do mundo; que ele possa viver sem os ciclos de vida e morte. A atual encarnação de Deus suporta e experimenta essa dor e já empreendeu essas coisas em favor do homem. Depois disso, aqueles que restarem jamais sofrerão de novo essas coisas – isso é um indicativo. Algumas pessoas falaciosas perguntam: “Você pode fazer tudo isso em favor do homem por Si Mesmo?” É suficiente para o Deus encarnado fazer isso em favor do homem; seria preciso haver mais algum substituto? O Próprio Deus pode fazer qualquer coisa e pode tomar o lugar de qualquer coisa, e Ele pode representar todos e pode ser um símbolo para todos, ser um símbolo para todas as coisas que são belas e boas e todas as coisas que são positivas. Além disso, Ele agora experimenta na prática a dor do mundo, de modo a estar ainda mais qualificado para dar um testemunho poderoso e a propiciar um testemunho mais poderoso para remover do homem todo o sofrimento futuro.

A encarnação operando os dois estágios da obra dessa maneira significa que eles foram realizados de maneira perfeita e formaram uma trama. Por que digo que formaram uma trama? É porque a obra que foi feita nos dois estágios pela primeira encarnação e a atual encarnação resolve todo o sofrimento na vida da humanidade e a dor do próprio homem. Por que é necessário que a encarnação faça isso pessoalmente? De onde vieram a dor do nascimento, a morte, a doença e velhice presentes ao longo da vida do homem? Devido a quê as pessoas primeiramente tiveram essas coisas? O homem não teve essas coisas quando ele foi inicialmente criado, certo? Então, de onde vieram essas coisas? Essas coisas vieram depois que o homem foi tentado por Satanás e sua carne se degenerou, tal como a dor da carne, os problemas e o vazio da carne e a extrema miséria do mundo. Satanás começou a atormentar o homem depois de tê-lo corrompido. O homem, então, se tornou cada vez mais degenerado, as doenças do homem foram agravadas e seu sofrimento se tornou cada vez mais severo. O homem sentiu cada vez mais o vazio, a tragédia e a incapacidade de continuar vivendo no mundo, e sentiu cada vez menos esperança em relação ao mundo. Portanto, esse sofrimento foi causado ao homem por Satanás, e só ocorreu depois que o homem foi corrompido por Satanás e se tornou degenerado. Assim, para trazer a humanidade de volta da mão de Satanás e dar-lhe o destino maravilhoso, Deus tem de experimentar esse sofrimento Ele Mesmo. Mesmo que esteja agora sem pecado, o homem ainda experimenta algumas coisas dolorosas. Satanás ainda pode dominar e manipular o homem e fazê-lo sofrer tormento e dor. Assim, pelo fato de a encarnação Mesma chegar a experimentar essa dor, o homem é trazido de volta das garras de Satanás e, depois disso, não precisa voltar a sofrer coisa alguma novamente. Esse sentido não é profundo? Naquele tempo, a encarnação que foi Jesus aboliu a lei, cumpriu a lei e ocasionou a Era da Graça. Ele trouxe misericórdia e amor à humanidade, sendo, então, crucificado, perdoando, em consequência, todos os pecados do homem. Ele usou Seu Próprio sangue precioso para tornar o homem qualificado para retornar perante o trono de Deus. Poderia ser dito que o testemunho e o fato da crucificação foram usados para redimir o homem. Embora os pecados do homem tenham sido perdoados, o homem foi profundamente corrompido por Satanás e possui uma natureza pecadora, podendo ainda pecar e resistir a Deus. Esse é um fato que ninguém pode negar. Por essa razão, Deus Se tornou carne pela segunda vez, para fazer a obra de purificar o homem de sua natureza pecaminosa, que consiste em julgar, castigar e purificar o caráter corrupto do homem. A primeira encarnação foi para ser crucificado pelo pecado do homem e redimir o homem. O homem já voltou à presença de Deus e a segunda encarnação de Deus veio para conquistar o homem. O homem voltou à presença de Deus, mas ainda está confuso, ainda não sabe o que Deus é e pergunta onde Deus está. Deus está parado bem diante dele, mas ele ainda não O reconhece. O homem começa a se tornar hostil a Deus e Deus fala e opera; no final, ele se prostrará no chão e verá Deus. O homem poderá ver Deus, mas será capaz de conhecê-Lo? Ele ainda não O conhece, de modo que Deus ainda precisa dizer algumas palavras, fazer o homem entender mais da verdade e fazer com que compreenda mais do caráter de Deus, de modo que, no final, o homem conheça Deus. O homem pode ter algum entendimento de Deus e estar disposto a viver ou morrer por Deus, mas Satanás ainda tem o controle e o domínio das fraquezas no homem e isso ainda pode fazê-lo sofrer. Espíritos maus ainda podem trabalhar para interferir nele, levando-o a um estado mental confuso, a perder os sentidos, a sentir-se inquieto em sua mente e sofrer a interferência em todas as coisas. Ainda há dentro o homem algumas coisas da mente ou da alma que podem ser controladas por Satanás e manipuladas por ele. Assim, ainda é possível que você tenha enfermidades, problemas e impulsos suicidas, às vezes também sentindo a desolação do mundo ou que a vida não tem sentido. Isso quer dizer que esse sofrimento ainda está sob o domínio de Satanás – essa é uma fraqueza fatal do homem. Satanás ainda é capaz de usar aquelas coisas que ele corrompeu e espezinhou – são coisas que Satanás pode usar contra o homem. Em consequência disso, o Deus encarnado começou o segundo estágio da obra, sofrendo em favor do homem enquanto simultaneamente fazia a obra de conquista. Pelo fato de a encarnação pagar o preço do sofrimento, a fraqueza fatal do homem será terminada e resolvida. Depois que o experimentar da dor no mundo trouxer o homem de volta, Satanás não terá mais nada que possa usar contra o homem e o homem se voltará completamente para Deus. Somente isso poderá ser chamado de o homem pertence inteiramente a Deus. Você pode viver para Deus e pode verdadeiramente prestar culto a Ele, mas você não necessariamente pertence inteiramente a Deus. Por que isso? Espíritos malignos ainda podem explorar oportunidades para chegar até você, jogar com você e eles ainda podem manipular você. Isso é assim porque o homem é tão ignorante que, às vezes, não consegue entender a diferença entre o movimento do Espírito Santo e a interferência dos espíritos maus. Isso não é uma fraqueza fatal? Espíritos malignos são oportunistas. Eles conseguem falar de dentro de você ou em seu ouvido, ou então desordenar seus pensamentos e sua mente; eles empurra para trás o mover do Espírito Santo de tal modo que você não consegue senti-lo, e depois disso começam a interferir com você, confundindo seu pensamento e avariando seu cérebro, deixando você inquieto e desequilibrado. Tal é a obra dos espíritos malignos. Agora que Deus está fazendo Sua obra, quando a humanidade posteriormente tiver seu destino maravilhoso, ela não só será capaz de viver para Deus, mas também não mais pertencerá a Satanás e não haverá mais nada a que Satanás possa usar contra o homem. O homem pertencerá a Deus, mente, espírito, carne e alma. Agora, o seu coração poderá voltar-se na direção de Deus, mas às vezes você ainda poderá ser usado por Satanás contra a sua vontade. Assim, embora o homem possa ter a verdade e ser capaz de obedecer completamente e adorar a Deus, ele não pode estar completamente livre da ação dos espíritos malignos, muito menos pode estar sem doença, porque a carne e a alma do homem foram espezinhadas por Satanás. A alma do homem é um lugar sórdido que foi habitado por Satanás e usado por Satanás. Satanás ainda pode tirá-la de você e manipulá-la, de modo que sua mente se torne turva e você não consiga discernir claramente a verdade. O fato de a encarnação experimentar a dor do mundo e suportar essa dor em favor do homem não é um assunto dispensável. Ele é absolutamente essencial. Você entende isso, não?

Vocês devem entender que as duas encarnações de Deus juntas fizeram toda a obra de salvar o homem. Só com a primeira encarnação, a humanidade não pôde ser inteiramente salva, porque aquela encarnação apenas resolveu o problema de absolver os pecados do homem e não pôde resolver o problema do caráter corrupto do homem. A segunda encarnação apenas logrou conquistar o homem e resolver o caráter corrupto do homem, mas não pôde resolver o problema de se o homem pertence inteiramente a Deus; então só pelo fato de a segunda encarnação também experimentar a dor do mundo podem aquelas partes do homem que foram corrompidas por Satanás ser resolvidas. Isso resolve o problema do sofrimento e do tormento do homem a partir da raiz – essa encarnação resolve esse problema cabalmente. Essas são as etapas da obra das duas encarnações e nenhuma delas é dispensável. Assim, você não deve diminuir o sofrimento suportado na encarnação. Às vezes Ele chora, às vezes fica triste. Às vezes, os outros O veem fraco e extremamente aflito. Você não deve diminuir esse sofrimento, muito menos você deve ter noções a respeito dele. Se você tiver quaisquer noções a respeito dele, você estará sendo muito ignorante e rebelde. Você certamente não deve pensar que essa dor é algo que deveria ser suportado pela carne normal de Deus e isso está ainda mais errado. Se você disser isso, você estará blasfemando contra Deus. As pessoas devem entender que a dor suportada pela primeira ou pela segunda encarnação é toda necessária, o que não quer dizer que seja essencial para o Próprio Deus, mas, em vez disso, que é essencial para a humanidade. É algo que tem de ser feito pois o homem foi corrompido a tal ponto; não fazer isso não é aceitável. Somente por se fazer isso o homem pode ser totalmente salvo por Deus. Deus faz coisas de maneira tal que o homem pode vê-las com seus próprios olhos. Tudo o que Ele faz é divulgado e não é retido de ninguém. Ele não suporta dor em segredo, temendo que, se as pessoas virem, elas terão noções a respeito. Ele não retém isso de ninguém, quer sejam novos para a igreja ou veteranos da igreja, quer sejam velhos ou jovens, quer possam receber a verdade ou não. Porque isso é um testemunho e qualquer um pode provar que a encarnação sofre tanta dor durante Seu tempo e de fato tomou sobre Si o sofrimento do homem. Ele não sofre secretamente por alguns dias em algum lugar que ninguém consegue saber, vivendo em conforto e prazer a maior parte do tempo. Não é assim. A obra e o sofrimento de Cristo não são retidos de ninguém, não temendo que você possa fraquejar, nem que você possa ter alguma noção, nem por temer que você possa abandonar sua fé. O que mostra o fato de Deus não reter essas coisas de ninguém? Ele não tem tempo para descansar. A encarnação é incrivelmente atarefada. Você pode vê-Lo agora não dizendo nada ou proferindo Sua voz, mas Ele ainda está operando, não descansando. Embora Ele possa não dizer nada, Ele ainda pode sentir-Se angustiado em Seu coração. O homem compreendeu isso? Mesmo que o homem veja isso, ele não saberá o que está acontecendo. Algumas pessoas sabem que Cristo é uma carne ordinária e normal, mas você sabe qual a obra que essa carne ordinária está fazendo agora? Você não sabe. Seus olhos físicos só conseguem ver a superfície e você não é capaz de ver nada da essência interna. Assim, não importa por quantos anos a encarnação opere, não importa quantos anos as pessoas pensam que Ele operou oficialmente, Deus, de fato, não descansou por nenhum momento. Embora Ele não esteja falando agora, Ele ainda sofre. Embora Ele não emita palavra e não esteja fazendo nenhuma obra em grande escala, Sua obra não parou. Algumas pessoas julgam se Ele é ou não é o Deus encarnado, se Ele realmente é ou não é Cristo, dependendo de se Ele continua a dizer alguma coisa. Elas pensam que, se Ele não disser nada por dois ou três anos, Ele não é Deus e elas viram as costas e vão embora. A crença em Deus desse tipo de pessoa é como a de quem está sentado em cima do muro; esse tipo de pessoa não tem nenhum entendimento de Deus. Ainda pode haver algumas pessoas que estão sentadas em cima do muro agora e, vendo que Deus não falou por um tempo tão longo, elas se perguntam se o Espírito foi embora e se o Espírito de Deus subiu ao céu. Isso não é um erro? As pessoas não deveriam emitir juízos como lhes agrada nem deveriam pensar “pode ser isso, pode ser aquilo, talvez isso, talvez aquilo”. Esse “talvez” é um erro, é uma palavra absurda e é uma concepção do diabo Satanás! A obra de Deus não parou por um segundo sequer. Ele não descansou, mas operou o tempo todo e tudo foi feito a serviço da humanidade.

A essência de Cristo tem de ser entendida a partir de todos os aspectos. Como você pode conhecer a essência de Cristo? A chave é entender a obra feita por essa carne. Se você só pensa que o Espírito faz coisas de certa maneira, mas a carne não faz, que a carne está meramente sendo controlada, isso está errado. Por que se diz que sofrer dor, ser crucificado, conquistar toda a humanidade e experimentar o sofrimento do mundo é tudo obra feita por Cristo? É porque Deus Se tornou humano e porque essas são as coisas que Deus faz no meio dos homens. O Espírito e a carne operam em tandem. Não é como as pessoas imaginam, que, se a carne não falar, o Espírito tem de forçá-Lo a falar. Não é esse o caso. Em vez disso, isso é feito com muita liberdade; o Espírito e a carne fazem as mesmas coisas. Se a carne vir algo de certa maneira, o Espírito também o vê daquela maneira. Como quer que seja dito, tudo é feito em tandem. Se você disser que a carne assume a liderança, isso também estará errado. O que significa que a carne assume a liderança? Há um pano de fundo para isso, a saber, que Deus Se tornou humano e o homem só pode ver o que a carne faz, que a carne assumiu a liderança durante o período da encarnação. Porém, não importa como seja dito, tudo que a carne faz é feito em tandem com o Espírito. Não é possível que o Espírito veja algo e faça a carne falar, mas a carne não fale e retenha. Isso é uma impossibilidade. Também é impossível que a carne deseje falar, mas o Espírito não forneça as palavras. Se as pessoas pensarem isso, elas estarão erradas e sendo absurdas. Será possível que o Espírito interior acione a carne para falar, mas a carne não fale? É justamente isso que não acontece. O Espírito e a carne são como uma coisa só. É o Espírito materializado dentro da carne. Como poderia suceder que o Espírito desejou falar, mas a carne não quis falar? Ou que a carne desejou falar, mas o Espírito não forneceu as palavras? Não pode haver tal argumento. O Deus encarnado é a materialização do Espírito dentro da carne. Sua carne pode falar a qualquer tempo e em qualquer lugar no decorrer de Sua obra. Quanto ao Espírito Santo operando no homem, ele consegue perceber o momento em que o Espírito Santo o abandona. O Deus encarnado não pode ter esse tipo de sentimento. O entendimento do homem está repleto de desvios e erros, ao pensar que Deus operou até este estágio e agora não tem o que dizer e que, mesmo que queira dizer algo, Ele não tem nada para dizer. É essa a situação? Ele pode falar a qualquer tempo. O Espírito e a carne jamais fizeram algo que interrompa um ao outro, seja em alguma obra seja ao falar sobre algum aspecto da verdade. Qualquer que seja a maneira como você olha para a questão, o Espírito foi materializado dentro da carne e Deus Se tornou humano; você absolutamente não pode falar de algo separando a carne do Espírito.

Como a obra feita pela encarnação pode ser comunicada de tal maneira que as pessoas entendam? Em primeiro lugar, não pregue sobre como a carne ordinária e normal sofre, mas, em vez disso, pregue sobre a trama de obra nas duas encarnações: a primeira vez que Deus encarnou, Ele foi crucificado para redimir a humanidade inteira e Ele tomou sobre Si mesmo os pecados do homem. A segunda encarnação fez duas partes da obra, sendo a primeira que Ele resolveu o caráter corrupto do homem e a segunda que Ele estabeleceu o destino que se seguirá para a humanidade. Uma vez que você pregar sobre isso, a trama se tornará clara. Então você poderá falar a partir de aspectos diferentes. Se as pessoas fizerem algumas perguntas, comunique-se com elas. Por meio da comunicação constante tudo se tornará perfeitamente claro.

Anterior:Capítulo 10. Aqueles que amam a verdade têm um caminho a seguir

Próximo:Capítulo 20. Somente a busca da verdade é a verdadeira crença em Deus

Coisas que talvez lhe interessem