139. Os princípios do tratamento de falsos líderes e falsos obreiros

(1) Falsos líderes e falsos obreiros de humanidade fraca que são capazes de fazer mal e que não aceitam a verdade devem ser substituídos, privados de seus cargos e eliminados;

(2) Os falsos líderes e os falsos obreiros que não conseguem fazer a obra prática devido ao seu fraco calibre devem ser substituídos e designados para deveres diferentes;

(3) Falsos líderes e falsos obreiros que têm humanidade relativamente boa, mas não buscam a verdade, que não são possuidores da obra do Espírito Santo nem podem fazer a obra prática, devem ser substituídos e designados para deveres diferentes;

(4) Falsos líderes e falsos obreiros com calibre e a capacidade de fazer algo da obra prática, mas que não têm experiência e não conseguem resolver problemas práticos, ainda podem ser treinados para uso.

Trechos de sermão e comunhão para referência:

Falsos líderes e colaboradores são líderes e colaboradores que não possuem a obra do Espírito Santo e que não conseguem fazer trabalho prático. Se líderes e colaboradores estiveram sem a obra do Espírito Santo por muito tempo, isso mostra que não são pessoas que buscam a verdade. Isso é um fato absoluto. O povo escolhido de Deus está ciente de que qualquer um que acredita em Deus sem buscar a verdade não é uma pessoa que Deus aprovaria e, assim, não possui a obra do Espírito Santo. Tais pessoas não entendem a verdade nem entram na realidade e não podem ser salvas. Isso é um problema sério. Líderes e colaboradores sem a obra do Espírito Santo são pessoas que Deus não aprova e que Ele não usará de forma alguma, por isso são chamados de falsos líderes e colaboradores. Todos esses falsos líderes e colaboradores que não buscam a verdade são revelados por meio de várias circunstâncias, posições, reputações e interesses. Como diz o provérbio: “Assim como a distância testa a força de um cavalo, o tempo revela a verdade do coração de uma pessoa”. Aqueles que não possuem a obra do Espírito Santo nunca são capazes de fazer o trabalho de regar e prover para os escolhidos de Deus para que estes possam entrar na verdade-realidade. Jamais podem realizar o trabalho de comungar sobre a verdade para resolver quaisquer problemas práticos que os escolhidos de Deus possam ter. Jamais podem realizar as tarefas exigidas pelos arranjos de trabalho. Após um período extenso, o povo escolhido de Deus será capaz de perceber e discernir essas pessoas. Quando os escolhidos de Deus identificam esses falsos líderes e colaboradores, que não possuem a obra do Espírito Santo, é justo e sensato e também lógico que essas pessoas sejam removidas ou designadas para trabalhos diferentes. Isso é bom para o povo escolhido de Deus e também para os líderes e colaboradores falsos, para que não continuem a expor ao perigo os escolhidos de Deus. Portanto, substituir todos os falsos líderes e colaboradores está completamente alinhado com a vontade de Deus.

Os falsos líderes e colaboradores são aqueles que são incapazes de fazer o trabalho prático que deve ser feito por líderes e colaboradores em vários níveis da igreja, pois eles não têm a obra do Espírito Santo. No entanto, entre os falsos líderes e colaboradores que não têm a obra do Espírito Santo ainda existem diferenças em sua quantidade de feitos malignos e em sua qualidade de humanidade, que não devem ser tratadas da mesma forma. Todos os falsos líderes e colaboradores se inserem principalmente nos três tipos seguintes. O povo escolhido de Deus deve distingui-los. O primeiro tipo são pessoas de humanidade relativamente boa. Tais pessoas cometerem menos feitos malignos e provocaram menos ressentimento público. Elas não entendem a verdade porque têm acreditado em Deus por pouco tempo ou porque carecem do apoio e sustento das pessoas que entendem a verdade. Não entraram na trila certa de acreditar em Deus ou não são capazes de buscar a verdade normalmente por causa do emaranhamento e controle de certos assuntos. O povo escolhido de Deus deve tratar os falsos líderes e colaboradores que se inserem nessa categoria com amor e mais ajuda e apoio, para que ainda haja esperança de que eles buscarão a verdade e receberão salvação. O segundo tipo inclui aqueles que têm uma natureza desonesta e enganosa, egoísta e desprezível; são pessoas de humanidade pobre. Essas pessoas têm mais transgressões e influências piores, que gostam especialmente de buscar status e desejam os benefícios de status, que se tornam depravadas por um pouco de status, entregando-se ao vinho, comida e prazer. Sempre cumprem seu dever de qualquer jeito e nunca fazem trabalho prático. Gostam de se empoleirar em suas posições e passar sermões nos outros. Essas pessoas não têm lugar para Deus em seu coração, muito menos têm qualquer senso de responsabilidade. São como os funcionários do grande dragão vermelho, sentados no alto e achando que todos os outros estão abaixo deles. Sempre dão ordens e incessantemente reprimem o povo escolhido de Deus, não tolerando qualquer resistência. Não têm nenhum amor. Nunca simpatizam nem ajudam os outros, muito menos resolvem as dificuldades práticas de irmãos e irmãs. Na igreja, essas pessoas são como a polícia; são intrometidas e oficiosas. Não importa que tipo de trabalho façam, os irmãos e irmãs não recebem nenhuma edificação, muito menos recebem deles o sustento da verdade. Portanto, tais pessoas são os falsos líderes ou colaboradores que Deus mais detesta. Devem ser substituídos e segregados para que reflitam. Se desobedecerem e causarem perturbação, serão expulsos. O terceiro tipo são aquelas pessoas especialmente arrogantes e insensíveis que se recusam a obedecer a qualquer um, até a ponto da irracionalidade. São realmente pessoas perversas. Essas pessoas se envolvem em todos os tipos de maldade, provocam intenso ressentimento público e não abrigam nenhum temor a Deus em seu coração. Têm um pouco de calibre e alguns dons e vieram a ter um pouco de experiência, assim acham que são incríveis. Não dão atenção a ninguém, nem mesmo a Deus. Com um pouco de posição, desejam possuir o povo escolhido de Deus, agindo como se fossem o mestre do povo escolhido de Deus e tratando o povo escolhido de Deus como sua propriedade privada. Vaidosamente competem com Deus pelas pessoas escolhidas de Deus para manter um número maior delas sob seu controle. Não há lugar para Deus no coração de tais pessoas que nunca adoram a Deus. Não oram a Deus em tribulação e sofrimento, muito menos buscam abrir seu coração para Deus. Após ganhar status, elas se mantêm no alto e dão início ao oficialismo. Não veem os arranjos de trabalho do Alto como seus próprios deveres a serem implementados nem demonstram qualquer obediência à obra de Deus. São pessoas perversas que se inserem na categoria de anticristos. Consideram que dar ordens e arranjar e manusear alguns assuntos gerais é capital, como se tivessem feito algum trabalho maravilhoso que merece tratamento superior e banquetes extravagantes. Na verdade, não fizeram um pingo de trabalho essencial em serviço a Deus nem qualquer trabalho prático que realmente provê para o povo escolhido de Deus para que ele possa alcançar entrada na vida. Não resolveram um único dos problemas encontrados pelos escolhidos de Deus ao longo de sua senda para entrar na verdade-realidade nem levaram os escolhidos de Deus a entender um único aspecto da verdade. Só fizeram algum trabalho administrativo para mandar nas pessoas e então se inflar de orgulho e superioridade, como se fossem oficiais com algum mérito de conquista. O que os qualifica para desfrutar das bênçãos do status? São realmente descarados! Tais pessoas perversas nunca levam a sério os arranjos de trabalho do Alto. Se considerarem os arranjos de trabalho desfavoráveis ou como ameaças para a sua reputação e posição, eles reterão esses arranjos de trabalho, denegrirão ou criticarão seu valor e significado, até afirmarão que vieram do homem e não de Deus e então usarão isso como meio para incitar as pessoas a abandonar aqueles arranjos de trabalho. Essas não são condutas que resistem a Deus? Isso não é uma retórica para manter sua reputação e posição? Isso não é uma revelação de sua natureza do anticristo? Tais pessoas rejeitam o julgamento e castigo de Deus. Também não aceitam ser podadas e tratadas; acham que são intocáveis, como o traseiro de um tigre. Como podem alegar estar experimentando a obra de Deus! É a senda dos anticristos que essas pessoas perversas estão trilhando. Quaisquer líderes e colaboradores que não conseguem contemplar corretamente os arranjos de trabalho e segui-los estritamente para implementá-los podem ser considerados mal-intencionados. Nenhum deles é obediente à obra de Deus. Portanto, quaisquer falsos líderes ou colaboradores que julgam, depreciam ou retêm os arranjos de trabalho devem ser substituídos e segregados para refletirem. Se essas pessoas perversas continuarem a exercer poder, os desastres e as consequências que eles trazem para o povo escolhido de Deus serão inimagináveis. Sem qualquer demonstração de arrependimento, tais falsos líderes e colaboradores devem ser expulsos, pois são os mais cruéis entre os falsos líderes e colaboradores.

Os três tipos de pessoas acima mencionados que são falsos líderes e colaboradores devem ser distinguidos estritamente e tratados de modo diferente. O primeiro tipo são pessoas com uma humanidade relativamente boa. Ainda são irmãos e irmãs que devem ser tratados com amor. Elas podem ser designadas para cumprir deveres diferentes, mas devem ser impedidas de assumir tarefas primárias; elas não são aptas a cumprir deveres cooperativos ou outros deveres. O segundo tipo são pessoas com humanidade má que devem ser substituídas e segregadas para que possam se dedicar à autorreflexão. Pode-se permitir que cumpram seus deveres espalhando o evangelho como uma oportunidade de arrependimento. O terceiro tipo são aquelas pessoas perversas que são anticristos, que são especialmente arrogantes e teimosas e que sempre querem controlar o povo escolhido de Deus. Embora não tenham se empenhado na construção de um reino independente, isso se deve meramente à falta de oportunidade. Com base em sua natureza-essência, é apenas uma questão de tempo até que se empenham em construir seu reino independente. Portanto, esse tipo de pessoa cruel, arrogante e totalmente insolente deve ser substituído e segregado para que reflita. Só deve receber a permissão de pregar o evangelho se estiver disposto a cumprir seus deveres. Causou tanto mal e prejudicou outros tão seriamente sem fazer nenhum trabalho prático; portanto, deve pregar o evangelho e conquistar pessoas para compensar suas transgressões. Espalhar o evangelho é o dever mais apropriado que possa cumprir. Se não cumprir nenhum dever, então a igreja pode expulsá-lo.

Extraído de “Arranjos de trabalho”

Alguns falsos líderes e trabalhadores não têm uma humanidade ruim. Acontece que, devido a seu caráter corrompido e por não compreenderem a verdade, quando se deparam com um problema, tendem a seguir os outros, fazendo o que os outros fazem, pensando que não há nada de errado em agir assim — e o resultado disso é que a conscientização lhes chega somente quando são expostos, podados e disciplinados pelo alto. Só então percebem que seu comportamento é errado e em desacordo com os princípios da verdade. Se esses indivíduos forem capazes de aceitar a verdade e puderem refletir sobre si mesmos em relação aos arranjos de trabalho, sermões e comunicações, se conseguirem reconhecer que não estão cumprindo as responsabilidades de líderes e trabalhadores da igreja, e são na verdade levados pelas forças de Satanás a agir inconsequentemente e fazer o mal, e se puderem encontrar uma senda para a prática e a transformação nas palavras de Deus, alcançando um entendimento das verdades dessas palavras, então esse será um progresso. Como deve a morada de Deus tratar esses falsos líderes e obreiros? Se eles são de fato pessoas que buscam a verdade, então podem ficar. Se vale a pena cultivá-los, podem continuar a ser cultivados. Mas se o seu calibre é muito baixo, se ainda não conhecem a si mesmos e nada ganharam, e de nada se arrependem, então devem ser eliminados. Tal tratamento das pessoas é justo e razoável. A vontade de Deus e o princípio de Sua obra é salvar o homem até o mais alto grau possível. As ações na casa de Deus devem ser justas e alicerçadas na realidade, que está plenamente de acordo com a vontade e as palavras de Deus. No momento, há algumas pessoas que não desistirão das questões relacionadas a líderes e trabalhadores. Elas os exporão uma vez e, passado um tempo, tornarão a expô-los. Não é isso uma tentativa de fomentar um movimento e uma demonstração de dureza para com as pessoas? Você expôs o problema neles, eles se arrependeram e o reconheceram, então por que você não consegue se desapegar disso? É assim que age quem busca a verdade? É essa a maneira correta de tratar líderes e trabalhadores? Os arranjos de trabalho contêm princípios claros para lidar com líderes e trabalhadores em todos os níveis, especialmente falsos líderes e trabalhadores, portanto deve-se lidar com eles conforme os arranjos de trabalho. Aqueles que se arrependem genuinamente podem ficar; para os que conhecem verdadeiramente a si mesmos e se arrependem, mas são incapazes de executar um trabalho real por ser o seu calibre muito baixo, deveres alternativos precisam ser arranjados; já os maus, os que não têm humanidade e não buscam a verdade, estes podem ser diretamente substituídos e eliminados. É simples assim. Certos falsos líderes e obreiros roubaram e se apropriaram indevidamente de muitas oferendas à casa de Deus. Esses anticristos que cometem todo tipo de maldade devem ser investigados a fundo. Deve-se determinar quantas oferendas de Deus eles roubaram, de quanto dinheiro da casa de Deus se apropriaram indevidamente, e essas contas devem ser ajustadas uma a uma. Além disso, se foram líderes e trabalhadores por vários anos, é preciso esclarecer, caso a caso, quantas pessoas expulsaram, se essas pessoas foram trazidas de volta, quantas pessoas eles impediram de alcançar a salvação e quanto prejuízo causaram à vida de irmãos e irmãs. A obra de Deus tem um começo e um fim; a partir do momento em que Deus iniciou Sua obra, Ele deve terminá-la, e quando chegar a hora, aqueles que cometeram toda sorte de maldades hão de chorar e ranger os dentes, e nenhum deles conseguirá escapar!

Extraído de “Sermões e comunhão sobre a entrada na vida”

Discernir e lidar com líderes falsos, colaboradores falsos e anticristos se baseia principalmente nos quatro princípios abaixo:

Em primeiro lugar, aqueles que a maioria das pessoas considera ter uma humanidade relativamente boa, que cometeram relativamente menos males, que ainda podem fazer algum trabalho real e se arrepender verdadeiramente, podem manter sua posição original e continuar trabalhando.

Em segundo lugar, aqueles que a maioria das pessoas considera ter uma humanidade relativamente boa e que cometeram relativamente menos males, mas que não conseguem fazer trabalho real porque têm acreditado em Deus por pouco tempo e não entendem a verdade: se seu calibre é relativamente bom e eles puderem ser cultivados, eles podem ser arranjados primeiro como colaboradores e ser cultivados, mas, por hora, não podem ser transformados em líderes; se seu calibre é relativamente pobre e eles não puderem ser cultivados, então eles devem ser substituídos e arranjados para cumprir outros deveres.

Em terceiro lugar, aqueles que têm uma humanidade relativamente ruim, tendem a cometer mais males, não cuidam de seus próprios deveres, agem descuidadamente e nunca praticam nem amam a verdade e, em vez disso, só buscam status, fama e ganho e não possuem nenhuma verdade-realidade – não importa se estiverem dispostos a se arrepender, essas pessoas devem ser substituídas e segregadas para que se dediquem à autorreflexão e só podem receber o dever de propagar o evangelho.

Em quarto lugar, aqueles tipos anticrísticos que são cruéis, arrogantes, desprovidos de razão e que não têm nenhuma verdade-realidade sempre têm ambições de controlar o povo escolhido de Deus, que se recusam a admitir seus erros e teimosamente resistem até o fim quando são podados e tratados, devem ser substituídos e segregados para refletir, independentemente de estarem dispostos a se arrepender ou não e só podem ser arranjados para cumprir o dever de espalhar o evangelho. Se eles se recusam a se submeter e não querem cumprir seus deveres, isso revela ainda mais que são anticristos. Demônios considerados anticristos devem ser expulsos.

Esses são os quatro princípios para lidar com falsos líderes e colaboradores. Líderes de todos os níveis da igreja devem lidar com falsos líderes e colaboradores e tratá-los de acordo com esses quatro princípios. Praticar dessa maneira basicamente não será errado. Contanto que se possa determinar, com base nas opiniões da maioria dos membros da igreja, se essas pessoas possuem humanidade e quanto mal elas cometera, então essas pessoas serão capazes de ser separadas em categorias, e se tornará claro se elas são boas ou más. Em termos específicos, se uma pessoa é confirmada como sendo uma pessoa boa, ela deve receber uma chance e ser apoiada com amor. Se uma pessoa é confirmada como sendo alguém com humanidade ruim ou é uma pessoa perversa, então ela deve ser substituída e eliminada. Esse é o princípio básico para lidar com falsos líderes e colaboradores. A casa de Deus não deve permitir que pessoas com humanidade ruim ou pessoas perversas sejam líderes ou colaboradores em qualquer nível da igreja. Qualquer um que promove ou usa pessoas com humanidade ruim ou pessoas perversas deve ser tratado da mesma forma como uma pessoa perversa. O princípio da casa de Deus ao líder com falsos líderes e colaboradores é promover pessoas boas e banir pessoas perversas. Somente pessoas boas são pessoas que podem ser salvas e têm a esperança de ser salvas e aperfeiçoadas. Uma pessoa com humanidade ruim que realmente acredita em Deus ainda pode ser salva, mas uma pessoa perversa é alguém que está fora do alcance da salvação. Você deve guardar estas palavras firmemente em seu coração. E você jamais errará se tratar as pessoas de acordo com esse princípio.

Extraído de “Arranjos de trabalho”

Anterior: 138. Os princípios do tratamento de líderes e obreiros que cometeram transgressões

Próximo: 140. Os princípios do tratamento de personagens religiosos

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Venha conversar com a gente
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro